Estados Unidos da América

EUA/Eleições: Incerteza no Arizona, possível recontagem na Flórida e segunda volta no Mississipi

Depois das intercalares, mantém-se a incerteza sobre o resultado para o Senado no Arizona, está garantida uma segunda volta no Mississipi e na Flórida é possível que se proceda à recontagem dos votos.

MIKE NELSON/EPA

Dois dias depois das eleições intercalares norte-americanas mantém-se a incerteza sobre o resultado para o Senado no Arizona, está garantida uma segunda volta no Mississipi e na Flórida é possível que se proceda à recontagem dos votos.

Uma candidata republicana, cuja vitória parecia garantida no Arizona na corrida ao Senado dos EUA viu na quinta-feira a sua rival democrata assumir a liderança num momento em que os votos estão quase todos contados, segundo resultados oficiais.

Se a democrata Kyrsten Sinema, de 42 anos, derrotar Martha McSally, de 52, apoiada por Donald Trump, a maioria republicana no Senado pode vir a ser menos clara do que aquela apontada na madrugada eleitoral. Sinema liderava a votação na noite de quinta-feira com mais de nove mil votos à frente da sua adversária republicana, de acordo com a contagem do Secretariado do Estado do Arizona.

Os republicanos já asseguraram a maioria na câmara alta do Congresso em Washington, com 51 assentos contra 46 para democratas e independentes; contudo, a extensão da sua vitória está neste momento em jogo, uma vez que uma outra corrida para o Senado, na Flórida, pode obrigar à recontagem dos votos.

Naquele estado, o republicano Rick Scott continua à frente de seu oponente democrata por 0,22 pontos percentuais. Na Flórida, a lei obriga a uma recontagem caso a vantagem do primeiro para o segundo candidato não for de pelo menos 0,5 pontos percentuais.

Rick Scott, governador no final do seu mandato, enfrenta o senador democrata Bill Nelson por uma posição no Senado em Washington. Scott disse na quinta-feira que fez uma queixa contra dois funcionários eleitorais, por suposta fraude.

A ameaça de uma recontagem na Flórida lembra os desenvolvimentos dramáticos que ocorreram em partes daquele estado durante a eleição presidencial de 2000. O processo foi então suspenso pelo Supremo Tribunal dos Estados Unidos e George W. Bush derrotou o democrata Al Gore na Flórida por 537 votos e venceu a eleição presidencial.

O presidente Donald Trump apoiou o candidato republicano Rick Scott. “As autoridades estão a analisar outro grande escândalo de corrupção relacionado com a fraude eleitoral nos condados de Broward e Palm Beach”, disse Trump. “A Flórida votou em Rick Scott!”, enfatizou o Presidente norte-americano.

No Mississippi, nenhum candidato alcançou a marca de 50%, pelo que haverá lugar a uma segunda volta no dia 27 de novembro.

Antes das eleições intercalares de terça-feira, o Partido Republicano tinha apenas uma pequena maioria no Senado, com 51 lugares conquistados contra os 49 do Partido Democrata.

No Arizona, qualquer que seja o resultado final, a vitória será histórica: este estado nunca elegeu uma mulher senadora em Washington. Por outro lado, a democrata Sinema é a primeira candidata ao Senado assumidamente bissexual. Já a sua adversária, Martha McSally, apoiante das políticas de Trump, é a primeira mulher militar dos EUA a pilotar um caça.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)