Rádio Observador

Salário Mínimo Nacional

Percentagem de trabalhadores com salário mínimo recuou no segundo trimestre

A percentagem de trabalhadores abrangidos pelo salário mínimo nacional caiu 0,2 pontos percentuais para 22,3%, pela primeira vez desde 2011, chegando a 757,2 mil pessoas.

NUNO VEIGA/LUSA

A percentagem de trabalhadores abrangidos pelo salário mínimo nacional (SMN) caiu 0,2 pontos percentuais em termos homólogos no segundo trimestre para 22,3%, pela primeira vez desde 2011, chegando a 757,2 mil pessoas, revelam dados do Ministério do Trabalho divulgados esta terça-feira.

“Pela primeira vez depois de uma atualização do SMN, a percentagem de trabalhadores abrangidos pelo SMN diminuiu na comparação homóloga”, avança o 10.º relatório de acompanhamento do acordo sobre salário mínimo, que está esta terça-feira a ser apresentado pelo Governo na Concertação Social. O número de trabalhadores abrangidos atingiu 757,2 mil em junho, segundo o relatório, uma subida de 3,4% face ao mês homólogo, ou seja, mais 24,8 mil trabalhadores.

Em comunicado, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social destaca que entre os mais jovens a incidência do SMN baixou de 28,9% em junho de 2017 para 28,2% em junho de 2018 (-0,7 pontos percentuais). A tendência foi idêntica entre os trabalhadores dos 25 aos 29 anos, onde a percentagem passou de 23% para 22,6%. A percentagem de trabalhadores abrangidos pelo SMN também diminuiu entre os trabalhadores com 30 e mais anos, passando de 21,6% em junho de 2017 para 21,5% em junho de 2018.

O documento adianta ainda que, em termos globais, a remuneração base declarada à Segurança Social aumentou 2% para uma média de 922,33 euros em junho, sendo o aumento mais elevado da série iniciada em 2012. Este aumento traduziu-se “num acréscimo de 0,9% do poder de compra dos trabalhadores, em termos médios”, sublinha o ministério de Vieira da Silva.

Para os trabalhadores que se mantiveram empregados entre 2017 e 2018 (cerca de 3%), o aumento nominal dos salários foi de 4,3%, alcançando os 8,6% no caso dos trabalhadores que mudaram de posto de trabalho neste período (cerca de 7% em termos reais).

“Estes dados apontam para um maior dinamismo salarial em 2018 face ao ano anterior, sendo que a variação salarial nominal dos trabalhadores que se mantiveram empregados entre 2016 e 2017 tinha sido de 3,7% (+2,5% em termos reais), fixando-se nos 7,8% para os trabalhadores que mudaram de posto de trabalho nesse período (+6,4% em termos reais)”, salienta ainda a mesma fonte.

No caso dos trabalhadores que permaneceram no mesmo posto de trabalho entre 2017 e 2018, houve aumentos em todos os escalões de remuneração, mas foi nos salários mais baixos que se registou o maior aumento, ligeiramente acima de 6% (até aos 600 euros).

Já os salários fixados na contratação coletiva cresceram 3,4% no terceiro trimestre de 2018, o nível mais elevado desde 2009, indica o Ministério do Trabalho, destacando os setores da construção e das atividades de saúde humana e apoio social, com subidas de 4,5%.

“Acresce que mais de metade (51%) das convenções coletivas com alteração de tabela salarial publicadas entre o 1.º e o 3.º trimestre de 2018 fixaram salários mínimos superiores à RMMG em vigor (580 euros), beneficiando 41% dos trabalhadores potencialmente abrangidos por convenções com alteração salarial”, acrescenta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Salários

Um salário mínimo motivante

Ricardo Mendes Ribeiro

A contraposição socialista entre empregador e empregado é fundamentalmente errada: quanto mais feliz o empregado estiver com o seu trabalho, mais e melhor produz.

Política Económica

“A embriaguez da vitória…”

Jorge Silveira Botelho

Se continuarmos embriagados com a política social de “panem et circenses”, na próxima crise vamos acabar por ficar sem passes, sem transportes e sem dinheiro para saúde, para justiça e para educação.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)