CGTP

CP aceita atrasar horários para passarem dois comboios da CGTP rumo à ‘manif’ em Lisboa

3.670

À semelhança do que tinha acontecido com o comboio para a festa do PS em agosto, CP deu garantias escritas de que "aceita os atrasos" para passarem os comboios rumo à 'manif' da CGTP.

JOSE SENA GOULAO/LUSA

Depois do PS, a CGTP. Os utentes da CP sofrem os problemas da falta de material, de atrasos constantes e o transporte em carruagens destinadas a regionais quando pagaram bilhete de intercidades, mas a empresa continua a fretar comboios a diversas entidades e a aceitar os atrasos que estes causam. Numa deliberação da Infraestruturas de Portugal e da CP — a chamada Carta Impressa à qual o Observador teve acesso — a CP “aceita os atrasos resultantes a outros comboios” para que circulem os comboios fretados pela central sindical CGTP para a manifestação desta quinta-feira em Lisboa. Desta forma, os comboios (são dois para a ida e dois para o regresso) que vão levar os manifestantes do Porto a Lisboa e de regresso a casa — com várias paragens pelo caminho — podem atrasar o serviço regular da CP pelas zonas em que passa.

Apesar de ter negado um comboio ao Benfica, por falta de material, para transportar adeptos em dia de jogo na Luz (o chamado “comboio Benfica” que funcionou nos últimos anos), a CP fretou comboios ao PS em agosto para transportar militantes para uma festa em Caminha e faz agora o mesmo com a CGTP, para que a intersindical possa transportar os trabalhadores desde o Norte e Centro do país até à manifestação que começa às 15h00 de quinta-feira no Marquês de Pombal e que vai até aos Restauradores.

Em agosto, o facto de a CP ter fretado comboios para a festa do PS levou mesmo à supressão de comboios no norte do país, uma vez que a CP desviou uma locomotiva para colocá-la no serviço contratualizado pelos socialistas.

Quanto ao contratualizado pela CGTP, no trajeto Porto Campanhã- Lisboa/Sete Rios o comboio vai fazer cerca de 40 paragens, que incluem estações de cidades grandes como Gaia Devesas, Aveiro, Coimbra-B,, Santarém, Lisboa-Oriente ou Entrecampos, mas também pequenos apeadeiros como Mato Miranda, Vermoil, Cacia, entre muitas outros. O primeiro comboio vai sair do Porto às 09h15 e chega às 13h25 a Sete Rios, em Lisboa. O segundo comboio sai às 09h55 e chega às 15h58. Pelo meio, se for necessário para qualquer um destes dois fretados passarem, os comboios que servem os utentes regulares podem ser atrasados. O que é, aliás, uma prática comum nestes casos.

Início do percurso Porto-Lisboa, segundo a Carta Impressa

No regresso, o primeiro comboio sai de Lisboa (Santa Apolónia) em direção ao Porto às 19h08, estando a chegada a Campanhã prevista para as 22h39. O segundo comboio sai às 19h25 e chega às 23h10.

Devido à hora em que recebeu a informação, o Observador só tentou contactar a assessoria de imprensa da CP ao início da noite, não tendo tido êxito nesse contacto. Ainda assim, o caso é tirado a papel químico do caso do comboio do PS em agosto e, aí, a posição da CP foi sempre de desvalorizar a situação.

CP considera este um “procedimento regular”

Quando se deu o caso do comboio do PS, em agosto, fonte oficial da empresa começou por dizer que “a CP realiza há décadas comboios especiais para vários clientes”. A mesma fonte acrescentou na altura que “sempre que se realiza um comboio especial, a CP, naturalmente, tem que solicitar o respetivo canal horário ao gestor da infraestrutura, uma vez que são comboios especiais e não regulares”.

A CP explica que a Infraestruturas de Portugal, “caso verifique a viabilidade de responder positivamente ao pedido do operador ferroviário, emite um documento designado ‘Carta Impressa’ [a que neste caso o Observador teve acesso] que contém os detalhes técnicos da marcha do comboio em causa”. E acrescenta: “Este é um procedimento regular no dia-a-dia das operações ferroviárias.”

A CP explicava na altura “a circulação é programada e, portanto, não afeta a realização de outros comboios”. Ou seja, a CP garante que não deixarão de circular comboios, mas na resposta ao Observador não se debruça sobre o facto de poder atrasar as circulações regulares. Além disso, na altura do comboio do PS houve mesmo supressão de comboios para que uma locomotiva fosse alocada para o transporte de militantes socialistas.

A manifestação nacional foi convocada no início de outubro, com o secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, a dizer que “este é o momento de aumentar a capacidade reivindicativa.” As reivindicações da CGTP são o aumento dos salários dos trabalhadores, a fixação do salário mínimo em 650 euros já a partir de janeiro do próximo ano, além do protesto contra as normas “gravosas” da legislação laboral.

Os comboios especiais da CP: do Avante ao Benfica

Os chamados “comboios especiais” são uma modalidade disponibilizada pela CP a qualquer entidade, sendo muito utilizados sobretudo em festivais ou eventos de música. As composições utilizadas são as mesmas usadas para serviços regulares, a diferenças é que não circulam nos horários regulares e, por vezes, fazem percursos que não constam nos percursos habitualmente disponibilizados pela ferroviária.

Entre 2013 e 2014, numa altura em que a CP reforçou o serviço de comboios especiais, disponibilizando o serviço a preços mais acessíveis, uma notícia do jornal Público dava conta de que havia cada vez mais empresas, escolas e municípios a alugar comboios especiais, e que a aposta em comboios daquele tipo tinha rendido à empresa 53 mil passageiros em 2013.

O serviço é usado por diversas empresas e entidades, desde a Sonae para o Mega Pic-Nic ao Benfica, que durante vários anos recorria ao serviço para transportar adeptos desde Braga até à estação mais próxima do Estádio da Luz. Outro exemplo, este político: o PCP também recorreu aos serviços da CP para o “Comboio da Festa”, isto é, para facilitar o transporte para a festa do Avante!. Segundo informações do PCP ao Observador,  em 2018 o serviço não foi requerido por “opção assumida pelo PCP e pela direção da Festa”.

Como se lia no site da Festa do Avante! do ano passado, o evento era organizado pela juventude comunista, e partia de Braga até à estação de Foros da Amora: “A melhor e mais barata maneira de chegar à Festa do Avante! é pelo Comboio da Festa, que mais uma vez está a ser organizado pela JCP. O comboio é uma forma confortável, barata, rápida de chegar à Festa e além disso… vir no comboio é vir já em Festa para a Festa do Avante!”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)