Diplomacia

Embaixador angolano vaticina uma “boa visita” de João Lourenço a Portugal

O embaixador angolano em Portugal afirmou que a visita do Presidente de Angola a Portugal, este mês, visa fortalecer e ampliar as relações entre os dois países, vaticinando que será "uma boa visita".

AMPE ROGÉRIO/LUSA

O embaixador angolano em Portugal, Carlos Alberto Fonseca, afirmou esta terça-feira que a visita do Presidente de Angola a Portugal, este mês, visa fortalecer e ampliar as relações entre os dois países, vaticinando que será “uma boa visita”.

“[Há] expectativas imensas nas relações entre os dois países. As expectativas são tão grandes quanto as possibilidades que há de cooperação entre os dois países”, disse o embaixador em declarações à imprensa, em Lisboa, à margem da cerimónia de comemoração do Dia de Angola.

“Os objetivos são sempre aqueles de fortalecer, consolidar e ampliar cada vez mais as relações de amizade e cooperação”, disse, Carlos Alberto Fonseca, sobre a visita de João Lourenço a Portugal, que será recebido na Assembleia da República, em Lisboa, em 22 de novembro. O diplomata lembrou que esta é uma posição “constante da política externa de Angola e uma constante da política e da relação entre os dois países”.

Inicialmente prevista para 23 e 24 de novembro, o parlamento formalizou, no início deste mês, a realização de uma sessão extraordinária de boas vindas ao chefe de Estado angolano, João Lourenço, no dia 22. “Vai ser uma boa visita, vai ser uma boa visita. Disso podem ter a certeza absoluta”, vaticinou o embaixador.

Durante a cerimónia que assinalou os 43 anos da independência de Angola, em 11 de novembro de 1975, o embaixador angolano sublinhou a importância da independência do país. “O Estado angolano soube preservar a sua soberania, a unidade da nação e a identidade territorial do país, evoluindo em processos inerentes à sua própria de afirmação e as transformações da sociedade”, assinalou Carlos Alberto Fonseca no seu discurso.

Na celebração em Lisboa, o embaixador sublinhou a crescente importância de Angola nas relações externas: “O Estado angolano também tem contribuído para a transformação do mundo de forma ativa, quer fazendo ouvir a sua voz ao nível da concertação política nos mais distintos fóruns internacionais da diplomacia bilateral, quer agindo como um fator de paz e estabilidade, assim promovendo a democracia e o desenvolvimento dos espaços geopolíticos em que está inserido”, declarou o embaixador, empossado em maio.

Na ótica de Carlos Alberto Fonseca, o atual estado de Angola envolveu, antes, uma capacidade de adaptação às várias fases que o país viveu nos últimos 43 anos. “Hoje somos um povo soberano, independente. Um país livre e democrático com bases económico-sociais que se reconstruiu depois de grandes vicissitudes históricas”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)