Rádio Observador

Manifestações

“Muitos milhares” enchem praça em Lisboa para pedir melhores condições laborais

O combate às desigualdades, à precariedade e à desregulamentação dos horários de trabalho são parte das reivindicações. A CGTP pede combate a maiorias absolutas, estas desfavoráveis aos trabalhadores.

TIAGO PETINGA/LUSA

“Muitos milhares” de manifestantes de todo o país estão esta quinta-feira a encher a praça Marquês de Pombal, em Lisboa, na ação nacional convocada pela Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) para exigir melhores condições laborais.

“Muitos milhares de trabalhadores já cá estão e muitos outros estão a chegar, portanto vamos ter uma manifestação com algumas dezenas de milhares de trabalhadores que, a uma só voz, vão aqui manifestar o seu descontentamento pela ausência de resposta positiva às suas reivindicações, quer do setor privado, quer do setor público”, declarou o líder da CGTP, Arménio Carlos, falando aos jornalistas no local onde se iniciou a manifestação.

Na ação, são esperados mais de 10 mil trabalhadores vindos de todo o país, em mais de 100 autocarros e em dois comboios provenientes do Porto, a par de dezenas de milhares provenientes da zona de Lisboa e arredores, que se deslocam em transportes públicos ou em transporte próprio.

Porém, de acordo com Arménio Carlos, estes números devem ser ultrapassados. “Neste momento, com [trabalhadores de] Lisboa e Setúbal que estão a chegar, serão provavelmente o dobro ou o triplo” do previsto, indicou. O sindicalista realçou, assim, aquilo que espera ser uma “grande adesão, grande participação e grande vontade”. “Está nas mãos dos trabalhadores mudar as suas condições de vida e de trabalho”, salientou.

A manifestação nacional da Intersindical seguia pelas 15h44 em direção à praça dos Restauradores, em Lisboa, sob o lema “Avançar nos Direitos, Valorizar os Trabalhadores”. O combate às desigualdades, à precariedade e à desregulamentação dos horários de trabalho, a dinamização da contratação coletiva e a revogação da nova legislação laboral são as principais reivindicações da CGTP.

A central sindical defende, assim, a promoção do progresso social e do desenvolvimento do país como forma de dar resposta aos problemas dos trabalhadores e da população em geral. Para tal, reivindica o aumento geral dos salários de todos os trabalhadores em 4%, garantido um mínimo de 40 euros, a fixação do salário mínimo nos 650 euros em janeiro de 2019, o aumento das pensões de reforma, a defesa e melhoria dos serviços públicos e funções sociais do Estado. A manifestação nacional da CGTP termina com uma intervenção político-sindical do secretário-geral, Arménio Carlos.

CGTP pede combate a maiorias absolutas que são desfavoráveis aos trabalhadores

O líder da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), Arménio Carlos, defendeu esta quinta-feira o combate a maiorias absolutas no parlamento que, independentemente do partido, são “desfavoráveis” à classe trabalhadora, e vincou ser “hora de ação” para exigir melhores condições. “Nunca, mas nunca essa maioria absoluta se mostrou favorável aos trabalhadores”, independentemente de ser “do PS ou do PSD/CDS”, declarou o dirigente sindical, no final da manifestação nacional da CGTP, em Lisboa.

Falando na praça dos Restauradores, perante milhares de trabalhadores de todo o país que esta quinta-feira se juntaram na capital, Arménio Carlos vincou: “E se dúvidas subsistissem, convém recordar que se houve avanços em relação a algumas matérias [desde 2015] só foram possíveis porque o Governo do PS não teve maioria absoluta e teve de negociar com o PCP, o BE e o PEV”.

“Saibamos estar atentos, passar a mensagem e estimular os nossos trabalhadores a que nos próximos tempos desenvolvam a luta”, sublinhou, realçando que “a hora é de ação, reivindicação e luta nos locais de trabalho e na rua, para assegurar a resposta necessária que os trabalhadores reclamam e o país precisa”. A seu ver, “esta intervenção vai ser determinante nos próximos atos eleitorais”, como as eleições legislativas de 2019.

Como principais reivindicações, Arménio Carlos elencou desde logo a necessidade de “travar a proposta de lei do Governo do PS” sobre a lei laboral, que “acentua o desequilíbrio de forças a favor do patronato”, causando ainda “impactos negativos que esta proposta tem para o bem-estar dos trabalhadores e das suas famílias”. Por isso, pediu aos deputados socialistas: “Votem contra”.

Outra das reivindicações é a subida do salário mínimo nacional de 600 euros para 650 euros. “Para acabar com salários baixos e promover uma justa distribuição da riqueza, é preciso que respondam positivamente à exigência do aumento geral dos salários”, avisou Arménio Carlos. E exigiu ainda: “A proposta de Orçamento do Estado para 2019 do Governo do PS precisa de ir mais além”.

Na ação desta quinta-feira, participaram trabalhadores vindos de todo o país, em mais de 100 autocarros e em dois comboios provenientes do Porto, a par de dezenas de milhares da zona de Lisboa e arredores, que se deslocam em transportes públicos ou em transporte próprio.

Estes manifestantes eram, também, de vários setores, como dos serviços, da limpeza, da administração local e pública, da logística, da banca e dos serviços. Aludindo à participação de funcionários do Novo Banco, Arménio Carlos destacou que “foi a primeira vez que estes trabalhadores fizeram greve e estão em conjunto na greve da CGTP”.

O percurso começou na praça Marquês de Pombal e terminou nos Restauradores, com a intervenção do líder da CGTP perante a Avenida da Liberdade cheia de manifestantes. Arménio Carlos terminou a sua intervenção citando o poeta brasileiro Vinicius de Morais, para mostrar solidariedade com o “povo brasileiro que se vê confrontado com ideias pseudofascistas”, numa alusão à eleição de Jair Bolsonaro para Presidente. “A única coisa que cai do céu é a chuva, o resto é luta”, concluiu, lendo a frase do poeta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)