Rádio Observador

Alterações Climáticas

Roteiro elege a próxima década como decisiva para neutralidade carbónica em Portugal

A próxima década será decisiva para Portugal ser neutro nas emissões carbónicas, com mais setores da economia a virarem-se para a eletricidade produzida a partir de fontes renováveis.

A principal meta do Roteiro para a Neutralidade Carbónica é praticamente acabar com as emissões de gases de estufa em 45 anos, com uma redução de 85% a 99% entre 2005 e 2050

PAULO NOVAIS/LUSA

A próxima década será decisiva para Portugal ser neutro nas emissões carbónicas, com mais setores da economia a virarem-se para a eletricidade produzida a partir de fontes renováveis, defende o Governo num roteiro que será esta terça-feira apresentado.

A principal meta do Roteiro para a Neutralidade Carbónica é praticamente acabar com as emissões de gases de estufa em 45 anos, com uma redução de 85% a 99% entre 2005 e 2050 que vai exigir “uma transformação profunda do modelo económico e social”. Já para 2030, pretende-se que 80% da energia produzida venham de fontes renováveis, chegando aos 100% progressivamente vinte anos mais tarde, de acordo com dados do Ministério do Ambiente.

É entre 2020 e 2030 que se “deverá verificar uma redução de emissões mais significativa”, defende-se no documento, que será esta terça-feira de manhã apresentado pelos ministros do Ambiente e da Economia na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Do total da eletricidade produzida, um quarto terá de vir da energia solar e 65% do consumo final de energia na economia portuguesa deverão ser elétricos. A indústria deverá reduzir 70% das suas emissões atuais até 2050. Para os resíduos urbanos, o objetivo é reduzi-los em 25% até 2050. Já em 2035, os resíduos urbanos que acabam em aterros deverão ser apenas 10% do total, menos 82% do que acontece hoje.

Atingir as metas do roteiro vai também envolver setores como os transportes, a gestão de florestas e a agricultura, com mais produção biológica, redução do uso de fertilizantes e emissões provocadas pelos efluentes animais da pecuária.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)