Finanças

Faturas em papel vão acabar já em janeiro

4.377

Faturas em papel só serão entregues se o comprador pedir e podem ser emitidas sem que tenha de dar o número de contribuinte na altura. Proteção de Dados dá parecer negativo a algumas regras.

Fatura simplificada em papel

ANTONIO COTRIM/LUSA

As faturas em papel vão deixar de existir já a partir de 1 janeiro de 2019. Seja em lojas, farmácias ou nos restaurantes, os comerciantes e prestadores de serviços vão ser dispensados de emitir a fatura em papel, a menos que esta seja pedida. Caso isso aconteça, o cliente pode recebê-la tanto em papel como por email. A notícia é avançada pelo Jornal de Notícias na edição desta quarta-feira.

O decreto-lei não vai, contudo, apagar o registo da compra. Pelo contrário, ele será encaminhado diretamente para o portal das Finanças, onde o contribuinte pode consultá-lo posteriormente. Para isso, e para se poder dispensar a emissão da fatura em papel, a medida exige que as empresas tenham um programa informático certificado, de forma a que os comerciantes possam processar a fatura e transmiti-la “em tempo real” à Autoridade Tributária. Basta que a fatura contenha o número de contribuinte (NIF) do comprador.

A medida foi anunciada pelo Simplex+2018, em junho, e será regulamentada pelo Ministério das Finanças. Mas a novidade não se fica por aí: todas as faturas vão poder ser emitidas sem o NIF do comprador, que o poderá depois confirmar posteriormente ao fisco sem precisar de o partilhar com o comerciante. Para tal, a partir de janeiro de 2020, todas as faturas e outros documentos vão passar a ter um código de barras bidimensional (“QR code”) e um código único de documento.

Neste sentido, mesmo que a fatura tenha sido emitida sem número de contribuinte, o comprador pode comunicá-la às Finanças, usando o “QR code” ou o código único, tendo apenas de fotografá-lo para enviar. Assim, o contribuinte pode usufruir dos benefícios fiscais sem ter de divulgar o seu número de contribuinte diretamente ao comerciante ou prestador do serviço. Esta medida visa contribuir para o combate à fraude e à evasão fiscais, caso as empresas não queiram declarar as faturas.

A Proteção de Dados, porém, deu parecer negativo à fatura sem papel e à introdução dos códigos de barras. A comissão diz que estas medidas vão permitir que a fatura chegue às Finanças com a informação detalhada das compras, o que não sucede atualmente, sendo este um “retrocesso em termos de tutela de direitos, liberdades e garantias” dos cidadãos.

Por oposição, o Governo garante que a informação que chegará à Autoridade Tributária será a mesma que já é disponibilizada e obriga as empresas a identificarem todos os estabelecimentos onde se emitem faturas até 30 de junho de 2019.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)