Um, dois, três, quatro, cinco. Aos 33 anos, Ricardinho continua a dominar por completo o mundo do futsal e foi eleito na noite deste domingo o melhor jogador do ano pela sexta vez na carreira, quinta consecutiva depois dos galardões recebidos em 2014, 2015, 2016 e 2017 (o outro foi em 2010). “Incrível! Obrigado, gracias, thank you! One more! Seis vezes o melhor do mundo, orgulhoso português”, escreveu o ala nas redes sociais, na primeira reação ao troféu.

A fratura da tíbia como lição, a finta AK-3000 como apresentação: o que faz Ricardinho ser o Mágico

Num ano especial em que conseguiu pela primeira vez conquistar um título pela Seleção Nacional – neste caso, o Campeonato da Europa –, o jogador do Inter ganhou também a UEFA Futsal Cup (o equivalente à Liga dos Campeões da modalidade) e a Liga espanhola. Assim, acabou por vencer com naturalidade o troféu atribuído pelo Futsal Planet com um total de 677 votos, mais do dobro do que o segundo classificado, o brasileiro Gadeia (311). O pódio do Melhor Jogador do Ano pertenceu por completo ao Inter, com o espanhol Pola a fechar no terceiro lugar com 295 pontos. Ainda no top-10, Bruno Coelho, jogador do Benfica que foi fundamental na final do Europeu contra a Espanha, terminou na sétima posição (166 pontos).

Ricardinho. “Fui eleito o melhor e eu a dormir”

De recordar também que Ricardinho chegou a estar perto do regresso a Portugal este ano depois de ter recebido uma proposta milionária do Sporting mas acabou por ficar no Inter no seguimento da crise institucional que os leões atravessaram a meio do ano e que levaria mesmo à destituição em Assembleia Geral do presidente do clube, Bruno de Carvalho.

Ricardinho faz um discurso de despedida (a 70%) a caminho do “rival” Sporting

O impacto do triunfo no Campeonato da Europa teve outras repercussões diretas em termos de prémios: Portugal venceu o prémio de Melhor Seleção do Ano com 503 pontos, à frente das sempre favoritas Brasil (411) e Espanha (370), ao passo que Jorge Braz foi considerado o Melhor Selecionador do Ano com 522 pontos, bem à frente do russo Sergey Skorovich (344) e do espanhol Bruno García Formoso (320). Luís Conceição, técnico que levou pela primeira vez a Seleção feminina sénior a um Europeu e ganhou com a Seleção Sub-18 feminina o Torneio Olímpico da Juventude, terminou no sexto lugar (186 pontos).

Em destaque esteve também Ana Catarina Pereira, jogadora do Benfica e da Seleção Nacional que conquistou o prémio de Melhor Guarda-redes do Ano com 404 pontos, à frente da espanhola Sílvia Outón (340) e da russa Anastasia Invanova (289). Já Fifó, jogadora também dos encarnados que esteve em plano de destaque não só nas conquistas nacionais do Benfica (Campeonato, Taça de Portugal e Supertaça) mas também nos Jogos Olímpicos da Juventude, foi considerada a terceira melhor jogadora com 303 pontos, apenas atrás da brasileira Amandinha (444) e da espanhola Amélia Romero De La Flor (319).

COI elege portuguesa Fifó como uma das estrelas dos Jogos da Juventude

Houve mais três distinções para equipas nacionais, de forma direta ou indireta: o Sporting foi considerado a segunda melhor equipa do ano com 381 pontos, apenas atrás do campeão europeu Inter (689) e à frente dos brasileiros do Magnus Futsal (327); Nuno Dias, técnico dos leões, ficou na terceira posição no top dos melhores treinadores de equipa com 295 pontos, atrás de Jesús Velasco (espanhol do Inter, 568) e Kaká (brasileiro do Kairat, 309); e Guitta, guarda-redes brasileiro que trocou no início da temporada o Corinthians pelo Sporting, foi eleito também o terceiro melhor do ano com 322 pontos, atrás de Higuita (brasileiro do Kairat, 482) e Jesús Herrero (espanhol do Inter, 453).

No Príncipe Felipe, Ricardinho voltou a ser rei: Sporting perde final da UEFA Futsal Cup com o Inter