AICEP

2018 teve maior captação de investimento estrangeiro desde criação da AICEP

Ministro dos Negócios Estrangeiros anunciou que "2018 foi o ano mais fértil em captação de investimento direto estrangeiro em Portugal desde a formação da AICEP", a agência para o investimento.

TIAGO PETINGA/LUSA

O ministro dos Negócios Estrangeiros anunciou esta quinta-feira que “2018 foi o ano mais fértil em captação de investimento direto estrangeiro em Portugal desde a formação da AICEP”, enaltecendo os resultados vastos e significativos da diplomacia portuguesa no ano passado.

Augusto Santos Silva foi o primeiro a discursar ao final da tarde na cerimónia de cumprimentos de Ano Novo ao Presidente da República dos chefes de missão, embaixadores e cônsules-gerais de Portugal acreditados junto de vários Estados e organizações internacionais, em Lisboa, destacando que os “resultados da diplomacia portuguesa em 2018 são muito vastos e muito significativos, qualquer que seja o ângulo” que se considera.

“Se olharmos para outras áreas muito importantes da nossa política externa, designadamente do ponto de vista da captação do investimento, pois o ano de 2018 foi o ano mais fértil em captação de investimento direto estrangeiro em Portugal desde a formação da AICEP [Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal], revelou.

Segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros, foram “mais de 1200 milhões de euros captados ao longo de 2018”.

A AICEP foi criada em 2007 no Governo de José Sócrates, tendo resultado da fusão entre a API (Agência Portuguesa para o Investimento) e do ICEP (Instituto do Comércio Externo de Portugal).

“[2018] Foi o ano em que o peso das nossas exportações no produto subiu ao seu valor mais alto de sempre, 43%, e a perspetiva é que continue a aumentar”, destacou ainda o ministro. Para Augusto Santos Silva, “a melhor maneira de garantir os bons sucessos no ano que agora se inicia é recordar os resultados do ano que agora terminou”.

Assim, o governante lembrou a eleição de António Vitorino para a Organização Internacional das Migrações, a importância da diplomacia portuguesa na eleição de Mário Centeno para o Eurogrupo, individualizando ainda, no âmbito da CPLP, as “duas importantíssimas visitas do Presidente da República de Angola a Portugal e do primeiro-ministro de Portugal a Luanda”.

Se olharmos do ponto de vista de outros relacionamentos bilaterais, pois 2018 foi um ano cheio”, destacou, dando nota do “papel de Portugal como pivô, como parte da ordem europeia e da ordem internacional”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, dirigindo-se a Marcelo Rebelo de Sousa, justificou a recordação destes factos como sendo “a melhor garantia da excelência” da diplomacia portuguesa e também “a melhor garantia do empenhamento para 2019”.

“Mas também recordo estes factos para lhe agradecer a si, senhor Presidente, pessoalmente porque estes sucessos, estes resultados têm duas razões essenciais. A primeira razão é a total articulação, eu diria a perfeita sintonia, entre a Presidência da República e o Governo em matéria de política externa”, elogiou. Esta sintonia, na opinião de Santos Silva, “dá uma coerência e uma força absolutamente impressionante à política externa”.

“Mas a segunda razão é o papel próprio, específico do Presidente da República no que diz respeito a componentes essenciais da projeção da nossa imagem e do nosso papel do mundo”, detalhou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)