Rádio Observador

Hospital de Santa Maria

Governo afasta o presidente do Hospital de Santa Maria

332

O governo não vai renovar o mandato de Carlos Martins no Centro Hospitalar e Universitário de Lisboa Norte não será renovado. Fontes próximas de Carlos Martins dizem que decisão é inesperada.

Carlos Martins, ex-deputado do PSD, foi nomeado para o cargo em 2013

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O governo não vai reconduzir Carlos Martins na na gestão do Centro Hospitalar e Universitário de Lisboa Norte, onde se encontra o Hospital de Santa Maria e o Hospital Pulido Valente.

A notícia foi avançada pelo Expresso. Àquele jornal, fontes próximas de Carlos Martins afirmam que a decisão foi totalmente inesperada.

O Observador está a tentar, sem sucesso, contactar a administração do Hospital de Santa Maria. O Ministério da Saúde não quis prestar declarações. Ainda assim, em comunicado às redações, o mesmo ministério informou que os conselhos de administração de 15 hospitais “estão em fase de nomeação”.

Carlos Martins tem sido uma voz crítica do Governo de António Costa. Em outubro de 2016, perante um despacho governamental que obrigava os hospitais a pedirem autorização para todas as despesas, Carlos Martins disse que preferia “ir a tribunal por não cumprir um despacho do que por homicídio”.

Carlos Martins, ex-deputado do PSD foi nomeado presidente do Hospital de Santa Maria em 2013 e foi reconduzido no cargo em 2016.

Em julho de 2018, o Tribunal de Contas elaborou um relatório onde apontava que a dívida do Centro Hospitalar e Universitário de Lisboa Norte cresceu quase sete milhões de euros por mês em 2017, considerando ainda que se encontrava em falência técnica em 2015 e 2016.

À altura, em declarações à Lusa, Carlos Martins disse que as conclusões do Tribunal de Contas eram “injustas, sobretudo porque estão fora do contexto na sua esmagadora maioria”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
Eutanásia

A rampa cada vez mais deslizante

Pedro Vaz Patto

Deve uma sociedade que se pretende solidária confirmar, a pretexto de respeito pela vontade do doente, a ideia de que a pessoa demente é um peso difícil de suportar e deve, por isso, ser eliminada?

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)