PSD

Rio lembra passado de derrotas de Montenegro e acusa-o de falta de coragem

189

O presidente do PSD contra-atacou acusações dos críticos e diz que quem teve "falta de coragem" foi Luís Montenegro quando decidiu não avançar há um ano. Lembrou ainda que nunca perdeu eleições.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Rui Rio seguiu a velha máxima de que a melhor defesa é o ataque. Na intervenção inicial do Conselho Nacional — onde defendeu a moção de confiança à sua liderança — o presidente do PSD atacou de forma dura os seus opositores. As primeiras palavras foram logo para os que se organizaram para o depor, relativamente aos quais quis vincar uma distância ética: “Nunca andei em manobras de corredores parlamentares ou jornalísticos, conspirando contra quem é legitimamente eleito“. O ataque mais violento estaria guardado para Luís Montenegro, que está a 500 metros do local do Conselho Nacional. O antigo líder da bancada parlamentar do PSD tinha acusado Rui Rio de ter tido “medo” ao não convocar diretas, mas o presidente social-democrata contra-atacou perante os conselheiros: “Não foi seguramente a mim que me faltou a coragem. Faltou, sim, a quem há um ano atrás, na altura própria, não teve o arrojo de se assumir, poupando o PSD a este espetáculo pouco dignificante que estamos a dar aos portugueses.”

Mais tarde, Rio seria ainda mais duro, lembrando que só sabe ganhar eleições, ao contrário de Luís Montenegro: “Há uma coisa que sempre me faltou e ainda estou à espera, que é perder eleições. Enquanto que os que me desafiam têm o desafio inverso: Estão à espera de conseguir ganhar uma eleição pela primeira vez na vida“. Foi muito aplaudido após esta farpa ao seu adversário. O presidente do PSD lembrava assim que Luís Montenegro perdeu as eleições para a câmara municipal de Espinho por duas vezes, tendo também perdido eleições para a distrital de Aveiro. Rui Rio acrescentou ainda que “muito menos seria capaz de boicotar a atividade de quem foi democraticamente escolhido para trabalhar, para no momento seguinte reclamar.”

“Costa, se for educado, agradece a alguns companheiros nossos”

O presidente do PSD acusa ainda os críticos de estarem a fazer um favor ao primeiro-ministro e ao PS. Rui Rio lamenta que tentem arrastar o partido para uma “luta interna que, necessariamente (…) vai dividir [o PSD] e deixar os adversários [do partido] a fazer campanha eleitoral sozinhos”. Para Rio “a sessão do Conselho Nacional que o PSD tem de realizar por força da confusão e da instabilidade gerada é, ela própria, um espetáculo de prime time para António Costa que, se for um homem educado, tem de agradecer a alguns companheiros nossos pelo serviço de excelência que lhe estão a prestar”.

Além disso, garante o líder, o PSD está a perder votos com toda esta guerrilha interna. A instabilidade do partido, diz Rio, é um “aliciante convite ao nosso eleitorado para caminhar para a abstenção e para alternativas partidárias à nossa direita”.

Apesar disso, Rio garantiu estar ainda em condições de “construir uma verdadeira alternativa à governação socialista”, mas avisou que “com terramotos políticos como este que estamos a assistir, não será possível atingir o que está ao nosso alcance”. Avisou também os conselheiros que sem “maturidade e sentido de responsabilidade (…) a derrota será certa” nas legislativas de 2019.

Passos e Soares para desvalorizar as (más) sondagens

Rui Rio atacou depois o argumento do partido “estar mal nas sondagens” e disse que essa nunca podia ser a “principal razão” do “repto para desertar” que lhe fizeram. O presidente do PSD lança uma suspeição sobre as pesquisas que são feitas, dizendo: “Todos ou quase todos sabemos como são feitas as sondagens que por aí vão circulando”. Mais do que isso, Rio diz que se o partido as fosse “seguir, o PSD de Pedro Passos Coelho teria tido uma derrota estrondosa em 2015”, mas “aconteceu precisamente o contrário.”

O líder do PSD lembrou ainda que “em 1986 quando Soares foi eleito Presidente da República, as sondagens davam-lhe na campanha eleitoral uns módicos 8%”, dando depois o seu próprio exemplo. Rio recordou que nas primeiras eleições que concorreu como autarca na câmara do Porto “verificou-se logo” a sua “fraca aptidão para ganhar sondagens”.

Rui Rio disse ainda que o ponto de partida da sua direção nunca foram as sondagens, mas mais o fraco resultado autárquico do partido: “Há 11 meses, quando esta Comissão Política tomou posse, o ponto de partido não eram os inquéritos de opinião feitos de forma mais ou menos séria. O ponto de partida era e são os resultados e esses deram-nos votações de 11% nos principais municípios do país e um resultado igualmente baixíssimo à escala nacional”

No fim do discurso, Rio disse que está preparado para o resultado, seja ele qual for: “Da minha parte, limito-me agora a esperar e, no fim, como sempre respeitarei democraticamente as decisões”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
215

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)