Bactérias

Zoo de Gaia diz que planta detetada com bactéria que ataca as oliveiras e amendoeiras foi destruída

102

A bactéria Xylella fastidiosa, responsável por atacar espécies como oliveiras e amendoeiras e que não tem cura, foi confirmada em planta de lavanda em zoo de Gaia. Zoo diz que planta já foi destruída.

A bactéria ataca espécies como oliveiras e amendoeiras e não tem cura

PATRICK PLEUL/EPA

A planta onde foi detetada a presença da bactéria Xylella fastidiosa foi “destruída imediatamente depois de comunicação” da tutela, indicou esta sexta-feira à Lusa fonte do Zoo de Santo Inácio, concelho de Vila Nova de Gaia.

Portugal informou oficialmente a Comissão Europeia da presença da bactéria Xylella fastidiosa em plantas de lavanda no jardim de um zoo em Vila Nova de Gaia. Em causa a presença de uma bactéria que ataca espécies como oliveiras e amendoeiras e para a qual não há cura.

Contactado o Zoo de Santo Inácio, fonte deste equipamento confirmou à agência Lusa que “no início do ano foram feitas análises às plantas” e que “a bactéria citada foi detetada num único canteiro”.

“O Ministério da Agricultura tirou amostras no início do ano e a planta foi destruída quando acusou positivo e imediatamente após a comunicação do Ministério. Foram responsáveis do zoo que destruíram a planta em colaboração com responsáveis do ministério”, descreveu a mesma fonte, acrescentando que “internamente se considerou que estava tudo tratado até porque não existiram mais indicações ou comunicações” da tutela. “Mas claro que estamos disponíveis para colaborar ao máximo. E temos as portas abertas para o que acharem necessário”, concluiu o Zoo de Santo Inácio.

Já um ofício do Ministério da Agricultura, Floresta e Desenvolvimento Rural, ao qual a Lusa teve acesso, com data de segunda-feira, aponta que a presença da bactéria foi confirmada a 3 de janeiro, estando esta “numa sebe ornamental de Lavandula dentata presente no jardim do Zoo de Santo Inácio, em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto.

A operação decorreu no âmbito do Programa de Prospeção Nacional e, continua a ler-se no documento, “de acordo com o previsto no Plano de Contingência está em curso, pela Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte, a prospeção intensiva na zona infetada – 100 metros em redor das plantas contaminadas – para determinação da extensão do foco”.

O ofício da tutela aponta que a zona onde foi detetada a bactéria foi demarcada e que continua o trabalho de amostragem e de destruição de plantas de outras espécies hospedeiras da subespécie multíplex. “A destruição que ocorre mesmo antes de serem conhecidos os resultados das respetivas análises”, garante a tutela.

Por fim, o Ministério da Agricultura pede a todos os particulares ou profissionais a colaborarem com os esforços oficiais, lembrando os “prejuízos potencialmente causados pela bactéria Xylella fastidiosa num vastíssimo leque de plantas hospedeiras, incluindo culturas de grande importância económica para o nosso país”.

Já fonte ligada à Comissão Europeia, apontou à Lusa que este organismo mantém contacto com as autoridades portuguesas, estando a acompanhar a situação. Desde 2015, têm sido detetadas diferentes subespécies da bactéria Xylella fastidiosa em França, Espanha e Itália em espécies ornamentais e também agrícolas.

A subespécie multíplex está associada a 58 espécies/géneros de plantas, entre eles, a amendoeira, a cerejeira, a ameixeira, a oliveira, o sobreiro, a figueira e muitas plantas ornamentais e da flora espontânea.

Comissão Europeia confirma chegada de bactéria que ataca as oliveiras e amendoeiras a Portugal

Portugal informou oficialmente a Comissão Europeia da presença da bactéria Xylella fastidiosa em plantas de lavanda no jardim de um zoo em Vila Nova de Gaia, Porto, disse esta sexta-feira à lusa fonte comunitária. A presença da bactéria, que ataca espécies como oliveiras e amendoeiras e para a qual não há cura, foi detetada “em 41 plantas de lavanda num jardim de um zoo — ou seja, não numa zona agrícola — em Vila Nova de Gaia”.

Na sequência da identificação da presença da bactéria, salienta a mesma fonte, estão a decorrer ações para confirmar a origem da infeção, tendo sido também demarcada a área afetada conforme as regras da União Europeia, tendo sido estabelecida uma área demarcada que compreende 100 metros da zona infetada e uma zona tampão circundante de cinco quilómetros, ambas sob forte vigilância.

Por outro lado, foram já destruídas todas as plantas infetadas com a subespécie e restringida a circulação a todos os operadores nas áreas demarcadas (que incluem duas plantações e sete centros de jardinagem) de modo a impedir a saída de plantas específicas. A Comissão Europeia mantém-se em contacto com as autoridades portuguesas e a acompanhar a situação, sublinha a fonte comunitária.

Desde 2015, têm sido detetadas diferentes subespécies da bactéria Xylella fastidiosa em França, Espanha e Itália em espécies ornamentais e também agrícolas. A subespécie multíplex está associada a 58 espécies/géneros de plantas, entre eles, a amendoeira, a cerejeira, a ameixeira, a oliveira, o sobreiro, a figueira e muitas plantas ornamentais e da flora espontânea.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)