Rádio Observador

Violência

Esquadra da polícia do bairro Bela Vista atacada com cocktails molotov

15.783

Três cocktails molotov foram arremessados contra as instalações da polícia no bairro Bela Vista, em Setúbal. E quatro viaturas foram incendiadas pelos mesmo tipo de engenhos em Odivelas.

Houve quatro viaturas incendiadas no concelho de Odivelas, duas delas na Póvoa de Santo Adrião (Imagem RTP)

A esquadra da Polícia no Bairro da Bela Vista, em Setúbal, foi atacada na madrugada desta terça-feira, às 03h15, com o arremesso de três cocktails molotov. Apesar de não haver feridos e de os polícias terem controlado o incêndio, houve danos materiais no edifício da esquadra e numa viatura civil. Antes disso já tinham ocorrido outros ataques, também com cocktails molotov no concelho de Odivelas. Segundo revelou a PSP em comunicado, ainda não foram identificados os suspeitos do ataque à esquadra e nada indicia “até ao momento” que estes atos de violência “estejam associados à manifestação ocorrida ontem no Terreiro do Paço“. Fonte da PSP admite ao Observador que está a ser investigada uma possível relação com os acontecimentos dos últimos dias.

Antes do ataque à esquadra a PSP revela que, pelas 21h40, foram incendiadas quatro viaturas também com recurso a cocktails molotov: duas em Odivelas e outras duas na Póvoa de Santo Adrião. Pouco depois, novamente com cocktails molotov, foram  “incendiados e destruídos 11 caixotes do lixo e danificadas, nesta sequência, cinco viaturas, na zona circundante ao Bairro da Cidade Nova”.

A PSP informa que “desenvolveu diligências e investigações que permitiram intercetar quatro suspeitos, tendo sido detido um indivíduo do sexo masculino, de 18 anos de idade, depois de reconhecimento por testemunhas como um dos autores do lançamento dos engenhos incendiários.”

Segundo o comunicado da polícia, continuam as investigações destas duas ocorrências, mas a PSP salienta que “o clima de segurança foi restabelecido” nestas zonas, tendo sido “reforçado o dispositivo policial nos locais, garantindo a tranquilidade e normalidade a todos os residentes“.

O rastilho de toda esta situação poderá ter sido um caso de violência policial no Bairro da Jamaica, no Seixal, onde algumas agressões de agentes da PSP foram divulgadas num vídeo amador filmado por uma moradora e divulgado nas redes sociais. Segundo as autoridades, a intervenção tornou-se mais musculadas depois de um dos moradores ter atirado pedras aos agentes. Os residentes queixam-se de abuso policial desproporcionado, enquanto a direção nacional da PSP acredita ter sido dada a resposta adequada, embora tenha aberto um inquérito à situação.

Já depois deste caso, um grupo de cerca de 50 manifestantes organizou uma manifestação que começou no Terreiro do Paço, junto ao Ministério da Administração Interna, e terminou no Marquês de Pombal na tarde de segunda-feira. O protesto também acabou mal, com alguns manifestantes a atirarem pedras e petardos contra a PSP, que respondeu com tiros de balas de borracha. A ação acabou com quatro detidos e alguns polícia feridos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)