O Presidente do Chipre agradeceu esta terça-feira a Portugal o seu contributo para a uma solução negocial para a reunificação do seu país, enquanto o primeiro-ministro português elogiou a ação do secretário-geral das Nações Unidas neste processo.

Estas posições foram transmitidas pelo chefe de Estado cipriota, Nicos Anastasiades, e por António Costa após terem estado reunidos mais de uma hora no Palácio Presidencial do Chipre, em Nicósia – uma capital dividida por uma extensa barreira, separando as comunidades de cipriotas gregos e de turcos, com tropas das Nações Unidas a fazerem a intermediação entre os dois lados.

“Quero aproveitar esta oportunidade para expressar ao primeiro-ministro português a sincera gratidão do Governo e do povo do Chipre pelo importante apoio que tem dado aos nossos esforços no sentido de se chegar a um acordo em linha com as resoluções das Nações Unidas e com a posição formal da União Europeia. Reiterei ao primeiro-ministro português a vontade do povo cipriota de que se chegue a um acordo sobre o futuro do país, reunificando o Chipre num verdadeiro e moderno Estado europeu, livre da intervenção estrangeira”, declarou Nicos Anastasiades.

Desde 1974 que a parte norte da ilha de Chipre está ocupada por forças militares turcas – altura em que a partir de Ancara se proclamou um novo Estado independente que, no entanto, é apenas reconhecido pela Turquia.

Neste ponto, o primeiro-ministro disse ter transmitido ao chefe de Estado cipriota “a solidariedade de Portugal, acompanhando de forma muito estreita o desenvolvimento das negociações, tendo em vista encontrar uma solução para a questão de Chipre nos termos das resoluções das Nações Unidas”.

“Portugal acompanha o esforço que o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, e da sua alta representante têm desenvolvido para que este ano de 2019 seja marcante para a evolução destas negociações a partir dos temas já identificados e dos termos de referência que estão neste momento a ser concluídos. Queremos que as negociações sejam retomadas”, salientou o líder do executivo português.

António Costa desejou ao Governo do Chipre “o maior sucesso nas negociações que se encontram em curso e que se espera que cheguem a bom termo”.