Fome

Papa pede que luta contra a fome seja uma prioridade e não apenas um slogan

125

Moçambique é o país lusófono com maior prevalência de subnutrição e Angola regista progressos substanciais. Papa considera que é preciso colocar a tecnologia ao serviço dos pobres.

o O Papa lembrou "a multitude de irmãos e irmãs", de pessoas carenciadas, que estão em sofrimento, sem verem atendidos "os seus gritos e necessidades"

MAURIZIO BRAMBATTI/EPA

O Papa Francisco pediu esta quinta-feira que a luta contra a fome seja uma prioridade e não apenas um slogan considerando que é preciso “colocar a tecnologia ao serviço dos pobres”. O Papa falava esta quinta-feira na abertura do 42.º encontro anual do Conselho Diretivo do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (IFAD), das Nações Unidas.

Na sua mensagem, publicada pela sala de imprensa do Vaticano, o Papa lembrou “a multitude de irmãos e irmãs”, de pessoas carenciadas, que hoje “estão em sofrimento no Mundo”, sem verem atendidos “os seus gritos e necessidades”.

Francisco descreveu um Mundo em que “o ar é imperfeito, os recursos naturais estão esgotados, os rios poluídos e os solos acidificados” e denunciou ainda a existência de milhões de pessoas que “não têm água suficiente para si ou para suas lavouras, com infraestruturas sanitárias muito deficientes e com casas degradadas.

O Papa defendeu que deve ser assumida “seriamente” a batalha para vencer a fome e a miséria, considerando que esta luta não pode ser apenas um slogan mas sim uma prioridade. Para isso, acrescentou, “é necessário a ajuda da comunidade internacional, da sociedade civil e daqueles que possuem recursos”.

Francisco realçou o paradoxo de que “boa parte dos mais de 820 milhões de pessoas que sofrem com a fome e a desnutrição no mundo vivem em áreas rurais, dedicando-se à produção de alimentos”.

Na sua intervenção, o Papa exortou os que têm responsabilidade nas nações e organizações intergovernamentais, bem como aqueles que podem contribuir nos setores público e privado, “para desenvolver os canais necessários para que medidas adequadas possam ser implementadas nas regiões rurais da Terra, para que possam ser arquitetos responsáveis da sua produção e progresso”.

Para o Papa , a ajuda não pode continuar a ser entendida ocasionalmente com resoluções de emergência, pois essa ajuda “pode gerar dependências”. Francisco indicou que “é preciso apostar na inovação, na capacidade empreendedora, no protagonismo dos atores locais” e “colocar realmente a tecnologia ao serviço dos pobres”.

Fome aumentou na África Subsaariana e atingiu 237 milhões em 2017

A fome aumentou na África Subsaariana em 2017, atingindo 237 milhões de pessoas, segundo um novo relatório das Nações Unidas, que aponta Moçambique como o país lusófono com maior prevalência de subnutrição e assinala progressos em Angola.

Segundo o estudo Visão Regional de África sobre Segurança Alimentar e Nutrição, apresentado quarta-feira, na capital da Etiópia, o continente africano tinha, em 2017, mais 34,5 milhões de pessoas subnutridas do que em 2015, num total de 257 milhões, 20% da população. Destas, 94% vivem na região subsaariana.

Entre os lusófonos, a maior prevalência da subnutrição foi registada em Moçambique com 30% da população nesta condição, seguindo-se a Guiné-Bissau (26%), Angola (12,9%), Cabo Verde (12,3%) e São Tomé e Príncipe (10,2%).

O estudo da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e da Comissão Económica das Nações Unidas para África (ECA), coloca Angola entre os países que “fizeram progressos substanciais” na redução da desnutrição, tendo cortado 10 ou mais pontos percentuais desde 2004. A média de crescimento de mais de 4% registada no país entre 2005 e 2016 é apontada no estudo como uma das causas dos progressos alcançados.

Por outro lado, o documento aponta Moçambique como uma das nações mais afetadas pelos choques climáticos, que em 2016 resultaram em défices excecionais de produção e falta generalizada de alimentos.

A FAO alerta que a subnutrição continua a aumentar no continente após vários anos de declínio, ameaçando a meta da erradicação da fome prevista para 2030 nos Objetivo de Desenvolvimento Sustentável, acordados pela comunidade internacional.

A diretora-geral adjunta da FAO, Maria Helena Semedo, sustentou que os altos índices de subnutrição mostram que há mais pessoas a sofrer desta condição em África do que em qualquer outra região. Para a representante, o agravamento da tendência no continente deve-se à difícil situação económica global e à deterioração das condições ambientais, combinada, em muitos países, com conflitos e fenómenos de clima extremo.

O estudo estima que em 2017, havia 53,8 milhões de crianças menores de cinco anos com atrasos de crescimento devido à subnutrição crónica na África Subsaariana, o que representa uma descida, mas insuficiente para cumprir as metas estipuladas.

Destaca ainda que, em certa zonas, especialmente no sul e este do continente, a produção agrícola reduziu em consequência do fenómeno El Niño, encarecendo o preço dos alimentos básicos. Em 2017, a situação registou algumas melhoras, mas alguns países continuam muito afetados pela falta de chuva.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)