Turismo

Receitas turísticas atingem “novo recorde” de 16,6 mil milhões de euros em 2018

Segundo destaca o Governo, desde 2015 as receitas turísticas cresceram 45%, passando de 11,5 mil milhões de euros para 16,6 mil milhões de euros, e o saldo da balança turística cresceu 52%.

Para a secretaria de Estado, estes dados mostram que "a evolução do turismo é consistente, sendo cada vez mais uma atividade sustentável ao longo do ano"

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As receitas do turismo aumentaram 9,6%, para um “novo recorde” de 16,6 mil milhões de euros, em 2018 face a 2017, tendo o saldo da balança turística atingido 11,9 mil milhões de euros, anunciou esta quarta-feira o executivo.

Os números registados em 2018 mostram que a evolução do turismo é consistente, sendo cada vez mais uma atividade sustentável ao longo do ano e do território, com diminuição da sazonalidade. O valor recorde de receitas e de saldo da balança turística demonstra que a diversificação de produtos e de mercados tem resultados evidentes, conseguindo um crescimento da receita turística de 45% desde 2015″, refere a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, em comunicado.

Para a secretaria de Estado, estes dados “evidenciam uma alteração estrutural no turismo, com grande crescimento em valor, alargamento do turismo ao longo do ano, ao longo do território e diversificação de mercados”.

Segundo destaca, desde 2015 as receitas turísticas cresceram 45%, passando de 11,5 mil milhões de euros para 16,6 mil milhões de euros, e o saldo da balança turística cresceu 52%.

“Em 2015, os turistas estrangeiros gastaram 31 milhões de euros por dia e em 2018 gastaram 46 milhões de euros por dia”, salienta, apontando que “os principais crescimentos de receita ocorreram nos mercados Austrália (+22,6%), Finlândia (+22,3%), Canadá (+20,3%), EUA (+19,1%), China (+18,3%), Rússia (+15,8%), Suécia (+14,4%) e Brasil (+10,8%)”.

Conforme refere, desde 2015 alguns destes mercados “praticamente duplicaram” o seu peso, com a China a passar de 62 milhões de euros de receitas em 2015 para 153 milhões em 2018 (+147,5%), o Canadá a aumentar de 174 para 330 milhões de euros (+89,5) e os EUA a subirem de 530 para 968 milhões de euros (+82,5%), surgindo agora como o quinto principal mercado de Portugal em termos de receitas.

“Esta diversificação — sustenta a secretaria de Estado — tem permitido diminuir a dependência dos quatro principais mercados emissores” (Reino Unido, Espanha, França e Alemanha), que em 2015 representavam 54,2% dos visitantes e, em 2018, viram a sua quota descer para 48,3%.

A secretaria de Ana Mendes Godinho enfatiza ainda que o crescimento da atividade turística “se está a fazer de forma mais sustentável”, já que “os meses em que se registaram maiores crescimentos da receita foram março (+20,3%), maio (+19,5%), fevereiro (+16,1%) e janeiro (+14,9%)”.

No caso dos hóspedes, o crescimento de 1,7% verificado em 2018 (para, pela primeira vez, mais de 21 milhões de pessoas) “aconteceu integralmente nos meses de época baixa”.

Como resultado, em 2018 o índice de sazonalidade registou “o valor mais baixo de sempre”, 36%, quando em 2015 essa taxa era de 39%.

Por regiões, os maiores crescimentos registaram-se no Norte (em todos os indicadores), no Alentejo e nos Açores, “prosseguindo a tendência de alargamento da atividade a todo o território”, remata.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)