Governo

Centeno faz pré-aviso a enfermeiros e professores: “Não há margem para mais despesa”

2.297

Na mesma semana em que o Governo decidiu voltar a negociar com os enfermeiros, o ministro das Finanças avisa que não há "margem nenhuma" para mais despesa e que o défice de 0,2% é para cumprir.

STEPHANIE LECOCQ/EPA

O Governo cedeu nos últimos braços-de-ferro e decidiu voltar a negociar com enfermeiros e professores. Para se aproximar das reivindicações destes dois setores o executivo terá, à partida, de aumentar a despesa. Mas o ministro das Finanças já fez, em declarações ao Expresso, um pré-aviso que pode inquinar as negociações: “Não há margem nenhuma para acomodar novos aumentos de despesa.” Mário Centeno não admite mexer no objetivo que definiu para o défice para 2019 (0,2%) e reitera que “a meta do défice é para manter.”

Além da ambiciosa meta do défice, como lembra o semanário, há um desaceleramento da economia europeia, o PIB português cresceu abaixo do previsto em 2018 e ainda há a possibilidade de o governo voltar a ter de injetar mais dinheiro (mil milhões) no Novo Banco.

Por um lado, António Costa tem Bruxelas e Mário Centeno a exigir rigor nas contas, por outro tem vários setores da função pública a exigir todo o tipo de reivindicações que envolvem mais despesa e que iriam desequilibrar as contas do Ministério das Finanças. Pelo meio de tudo isto ainda há Marcelo, que nas últimas semanas terá, segundo disse ao Expresso fonte da Presidência, pressionado António Costa a voltar à mesa de negociações com enfermeiros e professores.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Governo

Quem quer casar com um governante?

Luís Reis
869

Se Soares foi Presidente-Rei, Costa revelou-se Primeiro-Ministro-Rei chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos, um nepotismo rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica

Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)