Rádio Observador

Lojas

A Bordallo Pinheiro abriu a primeira loja em Paris (e já há outra a caminho)

5.774

É a segunda loja fora de Portugal e a primeira de duas inaugurações previstas para a capital francesa. A Bordallo Pinheiro chegou a Paris, 130 anos depois da distinção na grande Exposição Universal.

Não é todos os dias que uma marca portuguesa assenta arraiais em Paris e, em janeiro deste ano, a Bordallo Pinheiro abriu portas àquela que é a sua segunda loja fora de Portugal (a primeira abriu no ano passado, em Madrid). Fundada em 1884, a marca já tinha marcado presença em vários países, sempre através de exposições internacionais. Agora, a estratégia é outra. O espaço do Boulevard Saint-Germain, a cinco minutos a pé do Musée d’Orsay, é só a primeira abertura. Nos próximos meses, as faianças portuguesas vão estar presentes numa segunda loja própria, com localização ainda por anunciar.

A loja é pequena, mas tem tudo o que é preciso para nos lembrarmos do momento em que morremos de amores pelas faianças das Caldas da Rainha. O musgo, disposto ainda do lado de fora das montras, indicia a inspiração naturalista que levou Raphael Bordallo Pinheiro a desenhar e executar as primeiras peças, ainda no século XIX. Lá dentro, o verde predomina — nas mesas de exposição, no interior das montras e até nas paredes. Há quem seja apanhado de surpresa com a escala e com o detalhe de peças como a terrina couve, o jarro esquilo ou até mesmo como os candeeiros em forma de tomate, couve e abóbora.

A nova loja da Bordallo Pinheiro, no Boulevard Saint-Germain, em Paris © LIONELBALTEIRO/LAMOUSSE

Os jarros estão, na verdade, entre os grandes protagonistas da nova loja. Têm um mostruário próprio, lugar de destaque no meio de outros tesouros como os peixes e mariscos, devidamente dispostos em caixa de madeira cheias de sal. Não faltam, é claro, as manteigueiras, queijeiras, os oveiros e os utilitários mais simples. Junto ao balcão, a sardinhada. A coleção Sardinhas by Bordallo já conta com 80 espécimes diferentes. Noutra parede, um lagarto gigante (em faiança, claro) tenta os visitantes com a promessa de uma fotografia digna de Instagram. E já que falamos em paredes, também não falta o tradicional bando de andorinhas.

O local da loja no foi escolhido ao acaso. Há precisamente 130 anos, foi aqui construído o Pavilhão de Portugal para a Exposição Universal de Paris de 1889, cuja direção criativa foi levada a cabo pelo próprio Raphael Bordallo Pinheiro. Na altura, cinco anos após a criação da marca, as Faianças Bordallo Pinheiro ganharam a medalha de ouro da exposição, enquanto o seu criador foi condecorado Cavaleiro da Legião de Honra do estado francês.

Couves e tomates — a loja de Paris tem todos os clássicos da marca das Caldas da Rainha © LIONELBALTEIRO/LAMOUSSE

A estratégia de internacionalização da Bordallo Pinheiro não fica por aqui. Enquanto as obras na fábrica, nas Caldas da Rainha, se aproximam do fim, a marca finaliza também uma segunda loja em Paris. Tem abertura prevista para os próximos meses e vai dar a conhecer a naturalismo de Raphael Bordallo Pinheiro a outro arrondissement parisiense.

Nome: Bordallo Pinheiro
Morada: 260, Boulevard Saint-Germain, Paris
Telefone: 0033 145 540 589
Horário: De segunda-feira a sábado, das 10h às 19h

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)