Rádio Observador

Vistos Gold

Países da UE vão averiguar em 15 passos se requerentes de Vistos Gold são criminosos

O Parlamento Europeu aprovou a inclusão da informação sobre requerentes de vistos gold numa base de dados para aumentar a segurança, medida que cria 15 procedimentos para verificar investidores.

WALLACE WOON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Parlamento Europeu (PE) aprovou a inclusão da informação sobre requerentes de vistos ‘gold’ numa base de dados para aumentar a segurança na União Europeia (UE), medida que cria 15 procedimentos de verificação sobre esses investidores.

“Queremos reforçar as condições de segurança e todos estes pedidos de vistos vão ser controlados através de 15 processos de verificação em sete bases de dados europeias”, declarou à agência Lusa o eurodeputado português Carlos Coelho (PSD), relator de um relatório sobre o tema.

Assim, “se houver um investidor russo que queira chegar a Portugal e pedir um visto ‘gold’, a partir do momento em que ele está no sistema, vai haver 15 processos de averiguação de segurança e, portanto, haverá menos probabilidade de, em Portugal, na Roménia ou em qualquer outros país, se ele tiver um mandado de deteção europeu, se possa estabelecer sem ser identificado”, exemplificou, falando à margem da sessão plenária do Parlamento Europeu, que decorre em Estrasburgo, França.

Está, assim, previsto que estes procedimentos sejam adotados antes da atribuição destas autorizações de residência para investimento, evitando que “criminosos possam beneficiar destes instrumentos”, salientou Carlos Coelho.

Lembrando que existem vistos ‘gold’ ou programas semelhantes em 20 Estados-membros, o eurodeputado frisou a necessidade de haver regras europeias uniformes, que visem garantir que “todos estes países, de futuro, antes de emitirem um visto […] vão submeter os requerentes a estes critérios de avaliação de segurança”. Em causa está uma reforma do Sistema de Informação sobre Vistos (VIS), que começou a funcionar a 2011, sendo a base de dados da UE que liga os guardas de fronteira aos consulados dos Estados-Membros situados em todo o mundo.

O VIS fornece informações às autoridades emissoras de vistos para o espaço Schengen, mas, atualmente, apenas abrange os chamados vistos de curta duração (turísticos). Com a alteração, o objetivo é que as autoridades consigam ter mais informações para analisar as pessoas que pedem um visto para entrar no espaço Schengen, com vista a residir e a trabalhar, prevenindo desde logo a migração irregular e promovendo uma melhor gestão das fronteiras externas da UE. Em causa está a proposta aprovada em plenário no Parlamento Europeu por 522 votos a favor, 122 contra e 31 abstenções, que define a posição da assembleia europeia e que terá agora de ser negociada com o Conselho da UE, onde estão representados os Estados-membros.

Com o documento, “reforçámos também as condições de proteção das crianças porque a partir dos seis anos vão dar as impressões digitais, ou seja, sempre que há crianças raptadas ou desaparecidas, será mais fácil encontrá-las e devolvê-las à sua família”, adiantou Carlos Coelho à Lusa.

A 23 de janeiro passado, o executivo comunitário reconheceu que os ‘vistos gold’ apresentam riscos para a UE, nomeadamente em termos de segurança, lavagem de dinheiro, corrupção e evasão fiscal, e alertou para a falta de transparência destes esquemas nos Estados-membros. Já no final de fevereiro, a comissão especial do Parlamento Europeu sobre os crimes financeiros e a elisão e evasão fiscais aprovou um relatório no qual propõe a abolição dos ‘vistos gold’, por considerar que os riscos daqueles programas são superiores aos eventuais benefícios económicos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)