Rádio Observador

Chefs

História da Gastronomia Portuguesa. Uma viagem no tempo através da comida (e da televisão)

866

Seis cozinheiros portugueses e uma mão cheia de gastrónomos e especialistas em comida mergulharam a fundo na história portuguesa para compreender as raízes daquilo que comemos hoje

Em cima, da direita para a esquerda: Diogo Noronha, Ljubomir Stanisic e Marlene Vieira. Em baixo, seguindo a mesma orientação: Kiko Martins, Susana Felicidade e Nuno Bergonse

D.R.

Ljubomir Stanisic, Kiko Martins, Marlene Vieira, Susana Felicidade, Nuno Bergonse e Diogo Noronha — estes seis cozinheiros são os protagonistas da nova série da RTP, a  “História da Gastronomia Portuguesa”, que estreia já este sábado, 23 de março, pelas 22h.

A cozinha tem estado na moda e essa tendência não é de agora. Nos últimos anos muito tem sido a atenção dada a novos restaurantes, produtos e chefs mas no meio deste turbilhão de novidades muitas vezes é preciso pôr os pés no chão e perceber as bases de tudo o que agora se fala, regressar às raízes. É com essa ideia que estes talentos da gastronomia nacional vão voltar atrás no tempo para conhecer os grandes clássicos portugueses, os mais antigos livros de receitas e as tradições mais históricas. Divididas por seis episódios, estas aventuras vão contar com a companhia (e sabedoria) de outras vozes ligadas ao mundo da comida portuguesa como jornalistas, gastrónomos e outros estudiosos que, em conjunto, irão explorar um livro de receitas publicado em determinado século — o chef contribui com a parte da comida e o especialista dá uma contextualização histórica. No final de cada episódio o chef escolherá uma receita do livro em análise que recriará utilizando os mesmos produtos e técnicas da época.

O primeiro capítulo desta novidade terá como protagonista o chef Ljubomir Stanisic e debruçar-se-á sobre o século XX na companhia de Fátima Moura (escritora e investigadora gastronómica), o Alexandra Prado Coelho (jornalista do jornal Público), o antropólogo José Manuel Sobral, José Amaral e Manuel Cruz (antigos empregados de mesa do Restaurante Aviz, colegas de Mestre João Ribeiro), a histórica Maria de Lourdes Modesta e o chef Vítor Sobral. Ao líder do 100 Maneiras segue-se Kiko Martins, o português por trás de restaurantes como A Cevicheria ou O Asiático irá analisar o mais antigo livro de cozinha português, o compêndio de receitas da Infanta D. Maria, datado do século XVI — a ajudá-lo estará a escritora Guida Cândido, Vasco d’ Avillez (figura proeminente no mundo do vinho português), a historiadora Manuela Santos Silva, Maria Gabriela Mansi (responsável pelos manuscritos da Biblioteca Nacional de Nápoles) e Maria Luisa Cusati, a cônsul honorária de Portugal em Nápoles.

Saltamos de seguida para o programa com o chef Nuno Bergonse que explorará o século XVII e terá como ponto de partida o livro “Arte de Cozinha”, de Domingos Rodrigues, que foi o primeiro do género a ser publicado em Portugal. A auxiliá-lo nessa demanda estarão Maria de Jesus Monge (diretora do Museu-Biblioteca da Fundação da Casa de Bragança, Vila Viçosa),  António Camões Gouveia (professor da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa), Maria José Azevedo Santos (professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), o Casimiro Fróis Ferreira (das Salinas de Rio Maior), bem como o engenheiro agrónomo Manuel Candeias e ainda Awet e Mohamed, dois refugiados eritreios do Projeto Marhaba. A chef Marlene Vieira é a protagonista que se segue e o seu tema é um dos mais importantes, a doçaria conventual. O historiador João Pedro Gomes, a professora Isabel Drumond Braga (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), Carlos Brito (Mosteiro de Arouca) e o pasteleiro Manuel Bastos, do mesmo Mosteiro de Arouca, serão os seus ajudantes.

Haverá ainda o programa com o chef do Pesca, Diogo Noronha, que vai ainda mais atrás, até ao século XVIII, para analisar a obra de Lucas Rigaud, “O Cozinheiro Moderno ou Nova Arte de Cozinha”, com a ajuda da investigadora Ana Marques Pereira, Graça Pericão (especialista em história do livro), Paulo Drumond Braga (historiador) e Bettina Coralo (proprietária do Bettina & Niccolò Corallo). O destaque final será dado aos saberes e sabores do século XIX com a ajuda da chef Susana Felicidade e dos especialistas Maria Alexandre Lousada (autora de um estudo sobre a alimentação popular urbana no séc. XIX), o gastrónomo Fortunato da Câmara, o Arquiteto Campos Matos (historiador de Literatura Moderna. Queirosiano, por convicção) e ainda Natália Fauvrelle, que é historiadora e técnica no Museu do Douro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)