Rádio Observador

Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo é “muralha simbólica” contra crescimento do populismo, diz Bernard-Henri Lévy

826

Segundo o filósofo francês, Marcelo "é uma pessoa decisiva e essencial" e tem travado o avanço do populismo em Portugal. Lévy apresenta a peça "Looking for Europe", no dia 6 de maio, em Lisboa.

A direita liberal é o tema da peça de Bernard-Henri Lévy

PAULO NOVAIS/LUSA

Marcelo Rebelo de Sousa é uma “muralha simbólica” contra o aumento do populismo em Portugal, afirma o filósofo francês Bernard-Henri Lévy, que frisa o “papel considerável” da direita liberal para travar o populismo na Europa.

“O Presidente de Portugal, Rebelo de Sousa, é uma pessoa decisiva, essencial, e os portugueses sentem-no […], porque sabem que ele é provavelmente a muralha simbólica contra o que ainda não vos atingiu, ou atingiu apenas de forma embrionária, contra o crescimento do populismo”, afirma em entrevista à Lusa esta terça-feira em Lisboa.

“A direita liberal, a direita católica, digo-o, é o tema da minha peça, tem um papel absolutamente considerável a desempenhar nos próximos anos em toda a Europa”, acrescenta o filósofo, em Portugal para apresentar a peça “Looking for Europe” (“À Procura da Europa”) que apresenta no Teatro Tivoli, em Lisboa, a 6 de maio. A peça, escrita e interpretada pelo escritor e filósofo, é “uma ode à Europa”, contra o nacionalismo e o populismo, apresentada numa digressão europeia que começou a 5 de março em Milão e termina a 20 de maio em Paris, passando no total por 30 cidades europeias.

Em abril, Bernard-Henri Lévy, conhecido em França pelas iniciais BHL, apresentou o espetáculo em Budapeste e encontrou-se com o primeiro-ministro húngaro, o nacionalista e populista Viktor Orbán. E é a partir desse encontro, do que falou com Orbán, que explica o papel da direita liberal face ao populismo que alastra na Europa. “A impressão que tive foi que ele tem medo. Orbán tem medo. De duas coisas: da direita liberal europeia, que pode excluí-lo, e do Vaticano, que se prepara para o repudiar”, afirma.

A direita liberal europeia, representada pelo Partido Popular Europeu (PPE), que em março suspendeu o partido de Orbán, Fidesz, por desrespeito dos valores europeus, e que “pode excluí-lo”, e o Vaticano, “que é fortemente contra as suas políticas migratórias” e “se prepara para o repudiar”.

“Isso quer dizer que as forças de que falo – a direita e os católicos – têm um papel enorme a desempenhar. Porque, no final, são a verdadeira barreira ao fascismo, não é a esquerda”, frisa o filósofo. “Quando vemos a história da Europa, vemos que é quando a direita baixa os braços que o fascismo passa. Quando a direita se mantém firme, o fascismo não passa”, acrescenta.

BHL conhecia Orbán de há longos anos, quando o húngaro combatia o regime comunista na Hungria, e ao revê-lo agora ficou com a impressão de que “ele está preso numa espécie de loucura”. Compara-o com Miklós Horthy, regente da Hungria entre 1918 e 1944, “uma figura absurda”, “porque era almirante de um país que não tem mar e regente de um país que não tem rei”.

“Orbán também é uma figura absurda, que se diz nacionalista e se vende a Putin [o Presidente russo], que diz que Bruxelas é uma prisão e que aceita os milhões de Bruxelas, que lançou a sua carreira com George Soros [filantropo de origem húngara] e que desencadeia uma campanha antissemita contra o mesmo George Soros. É uma personagem absurda”, diz.

Na conversa, de mais de duas horas, que manteve com o primeiro-ministro húngaro em Budapeste, Bernard-Henri Lévy diz ter-lhe dito que “corre um risco terrível” ao fazer “um pacto muito imprudente” com Putin e com o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, uma escolha que qualifica de “suicidária e absurda para alguém que afirma ser um nacionalista”.

“Na minha opinião, há quatro perigos para a Europa hoje em dia: o islamismo radical, a China, Erdogan e Putin. São os quatro perigos que nos ameaçam, que fazem com que amanhã a nossa civilização possa ter sido varrida. E Orbán está aliado a dois dos quatro”, alerta.

“Disse-lhe até que ponto essa escolha me parece suicidária e absurda para alguém que afirma ser um nacionalista húngaro. Está a ponto de matar a nação húngara ao aliar-se a Putin e ao aliar-se a Erdogan”, conclui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

A esquerda que temos

Fernando Leal da Costa

Nem para ambulâncias pode o INEM gastar dinheiro. O melhor será assumirem que entre ligar para o INEM ou mandar vir o Uber, o segundo é mais certo. Isto, claro, se não estiver a passar um táxi.

PS

Democracia de um só partido /premium

João Marques de Almeida

O PS quer estar sempre no poder, sendo o partido do Estado, e se possível sempre no governo, umas vezes com o apoio das esquerdas radicais, outras com a ajuda do PSD. Eis o favor que Rio fez a Costa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)