Rádio Observador

José Sócrates

Sócrates ouviu Moro com “esgar de repugnância”

3.253

Pingue-pongue de acusações entre Sócrates e Sérgio Moro continua. Ministro brasileiro chamou criminoso ao ex-primeiro-ministro português que agora o classifica de "juiz indigno e político medíocre".

José Sócrates foi acusado de 31 crimes de corrupção, branqueamento e fraude fiscal em outubro passado

PAULO CUNHA/LUSA

O antigo primeiro-ministro acusado no âmbito da Operação Marquês diz ser “impossível” ler as declarações do ministro e ex-juiz brasileiro Sérgio Moro “sem um esgar de repugnância”. Numa reação enviada por escrito ao Observador, José Sócrates classifica mesmo Moro em três frentes: “Como juiz, indigno; como político, medíocre; como pessoa, lamentável”. 

José Sócrates responde às palavras mais recentes do ministro brasileiro — numa série de troca de galhardetes que já vai longa — que lhe chamou criminoso numa entrevista televisiva. “Não, nunca cometi nenhum crime nem fui condenado por nenhum crime. Não posso aceitar ser condenado sem julgamento, muito menos por autoridades brasileiras”, disse antigo primeiro-ministro acusado de 31 crimes de corrupção e branqueamento e fraude fiscal. A declaração de Moro, afirma, “põe em causa os princípios básicos do direito e da decência democrática”.

E depois continua, no texto de dois parágrafos enviado ao Observador, dizendo que “na Europa conhecemos bem o ovo da serpente. Conhecemos o significado das palavras de agressão, de insulto e de violência política. Conhecemos o significado dos discursos governamentais que celebram golpes militares, defendem a tortura e recomendam o banimento dos adversários políticos”. Referências — sem nunca citar — ao governo liderado por Jair Bolsonaro de que Sérgio Moro faz parte. E remata que em Portugal também é conhecido “o significado do silêncio daqueles que assistem a tudo isto como se nada fosse com eles”. 

Diretamente a Moro dirige o remate final: “Há no entanto, em todo este episódio, um mérito: as palavras produzidas confirmam o que já se sabia do personagem — como juiz, indigno; como político, medíocre; como pessoa, lamentável”.

A picardia entre os dois começou na segunda-feira, quando Sérgio Moro comentou, em Portugal, o caso de José Sócrates dizendo que “temos tido desde o Mensalão e a Lava Jato um sério problema com a grande corrupção. Nesse ponto, Portugal tem uma realidade diferente, pelo menos olhando para o índice de corrupção da Transparência Internacional”. Para logo depois acrescentar o lado negro:  “Portugal não está imune, basta citar o famoso caso do ex-primeiro-ministro José Sócrates, vendo-se também uma dificuldade institucional em que o processo decorra em prazos”.  

A resposta de Sócrates não se fez esperar e, nesse mesmo dia, em entrevista à TVI 24, disse que o atual ministro da Justiça brasileiro “é um ativista disfarçado de juiz“. A resposta a este ataque chegou também via televisiva, com o antigo super-juiz do processo Lava Jato a ser duro ao afirmar: “Em relação à pessoa em particular, eu não debato com criminosos pela televisão. Então, não vou fazer mais comentários”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
José Sócrates

António Costa, o da memória má /premium

José Diogo Quintela
1.536

A questão não é os portugueses terem má memória da maioria absoluta do PS, antes é os portugueses não se lembrarem bem do que aconteceu nesse tempo. Se se lembrassem, não votariam nos mesmos marotos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)