Rádio Observador

Futebol

A dupla JJ do Wolves é cada vez mais importante: o golo decisivo de Jota no dia especial de Jiménez

Raúl Jiménez tornou-se o jogador da história do Wolves com mais golos numa só temporada da Premier e Jota marcou o golo da vitória com o Watford (1-2). A dupla JJ dos foxes é a mais eficiente da Liga.

O mexicano marcou o primeiro com assistência do português e Diogo Jota fez o segundo do Wolves

Getty Images

O Wolverhampton chegava a este sábado depois de ter conquistado uma vitória histórica e inédita contra o Arsenal a meio da semana mas a noção de que enfrentava agora a equipa que provocou a maior desilusão da temporada à armada portuguesa da Premier League. O Watford, que na época passada foi treinado pelo português Marco Silva, eliminou o Wolves no prolongamento da meia-final da Taça de Inglaterra e evitou a passagem de Nuno Espírito Santo e companhia à final de Wembley (já depois de ter vencido no Molineux na primeira volta).

Mais do que isso, o Wolverhampton encontrava um adversário direto nas contas da Premier League e uma vitória poderia significar o assegurar quase definitivo do sétimo lugar, logo depois dos big six ingleses, numa altura em que restam apenas duas jornadas para disputar. Sem qualquer alteração no onze face à equipa que venceu o Arsenal a meio da semana, Nuno Espírito Santo procurava então a primeira vitória da temporada contra um Watford desprovido de Troy Deeney, capitão e principal figura, que cumpria castigo.

Depois de uma primeira parte algo amarrada, o Wolves acabou por conseguir chegar à vantagem a cinco minutos do intervalo, através daquela que é já a dupla mais frutífera da Premier League: cruzamento de Diogo Jota na esquerda, Raúl Jiménez na grande área a cabecear para o golo. 13.º golo na Liga inglesa para o avançado ex-Benfica, que se tornou não só o mexicano com mais golos numa só temporada da Premier League (empatado com Chicharito), como também o jogador da história do Wolverhampton com mais golos numa só época no principal escalão do futebol inglês, superando os 12 apontados por Steven Fletcher em 2011/12.

No regresso para a segunda parte, o Watford conseguiu empatar logo nos instantes iniciais, através de Andre Gray. A equipa de Javi Gracia dominou a primeira metade do segundo tempo, tendo reagido bem à igualdade, mas não conseguiu completar a reviravolta e acabou por voltar a sofrer através daquilo que o Wolves faz melhor: cruzamentos largos e tensos à procura de alguém ao segundo poste. Desta vez, já aos 77 minutos, foi Rúben Neves — que nem sequer realizou uma grande exibição, depois de ter sido importantíssimo contra o Arsenal — a cruzar a partir da direita e Diogo Jota a concretizar no poste mais distante, beneficiando de uma abordagem péssima do guarda-redes Ben Foster ao lance.

O Wolves venceu o Watford pela primeira vez na temporada e deu um passo que pode perfeitamente ser decisivo no que toca ao sétimo lugar da Premier League. E bem pode agradecer à dupla Jiménez/Jota, que entre golos, assistências e influência já é o par de jogadores mais prolífero desta temporada da Premier League.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)