Rádio Observador

Lisboa

Festival de marionetas FIMFA a partir de quinta-feira em dez espaços de Lisboa

O Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas estará em Lisboa até 26 de maio — é "dirigido a todas as idades" e haverá apresentações de 22 companhias e artistas.

Este ano a abertura acontece no Castelo de São Jorge com o Laitrum Teatre

ANTONIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas (FIMFA) regressa a Lisboa, a partir de quinta-feira, com apresentações de mais de 20 companhias e artistas de todo o mundo, em dez espaços da cidade.

De acordo com a organização, “os artistas presentes nesta edição questionam o mundo, falam de identidade, liberdade, memória, o que o caracteriza e ameaça, abrem a porta ao sonho e dão vida à imaginação, a partir do universo da marioneta contemporânea”.

Até 26 de maio, haverá, em dez espaços de Lisboa, “marionetas gigantes, corpos que se transformam em paisagens, sombras com mãos, retratos em movimento, documentários em miniatura, dinossáurios, pequenas formas, objetos mecânicos e muito mais”.

Ao longo de 18 dias haverá apresentações de 22 companhias e artistas de Moçambique, França, Dinamarca, Reino Unido, Espanha, Alemanha, Holanda, Noruega, Finlândia, Irão, Estados Unidos da América e Portugal.

A programação da edição deste ano do FIMFA, “dirigida a todas as idades”, decorre no Castelo de São Jorge, no São Luiz Teatro Municipal, no Teatro Nacional D. Maria II, no LU.CA – Teatro Luís de Camões, no Museu de Lisboa – Palácio Pimenta, no Teatro da Trindade, no Teatro do Bairro, no Teatro Taborda, no Museu Nacional do Teatro e da Dança e na Cinemateca Portuguesa.

Este ano, a abertura acontece no Castelo de São Jorge com o Laitrum Teatre, que condensa cinco obras distintas de Shakespeare, em peças de oito minutos, para cinco teatros em miniatura.

Ainda para a abertura, a organização destaca o espetáculo “O Bazar e as suas…”, das Marionetas Gigantes de Moçambique, um desfile de rua que aborda o quotidiano da vida nos mercados, as dificuldades do dia-a-dia e os problemas da sociedade atual, que terá apresentações entre os dias 10 e 12 de maio.

O espetáculo de encerramento acontece no São Luiz, nos dias 25 e 26 de maio, com “Vies de Papier”, um teatro documental de objetos, que “nasceu de um achado- um álbum de fotografias – adquirido numa feira da ladra, na Bélgica, e com o objetivo de descobrir quem era a pessoa cuja vida estava contida naquele álbum”, adianta a organização.

Entre os destaques desta edição estão também as estreias nacionais da companhia dinamarquesa Teatret Gruppe 38 que apresenta, no Teatro do Bairro, “Hans Christian, You Must Be An Angel”, um espetáculo-instalação que “leva numa viagem fantástica pelo universo de Hans Christian Andersen, com um jantar teatral em sua honra, cheio de objetos que parecem mover-se por magia”, e do grupo francês Sacékripa, no Teatro Taborda, que mostra “Vu”, um espetáculo na fronteira do teatro de objetos e do circo em miniatura.

Além de espetáculos, a programação alarga-se a um conjunto de atividades paralelas, que incluem a exibição de “Rehearsal for a Sicilian Tragedy”, filme no qual o ator John Turturro viaja até à Sicília, onde investiga as tradições culturais em desaparecimento, e uma conferência sobre o tema do teatro de marionetas contemporâneo no Irão, dinamizada por Marjan Poorgholamhossein, criadora do espetáculo “Flight no. 745”, que será apresentado no D. Maria II, no âmbito do FIMFA.

Nesta edição, o festival criou o Prémio de Mérito Cultural Henrique Delgado – em homenagem a este nome da história do teatro português de marionetas -, que pretende reconhecer personalidades, estruturas ou instituições que tenham desenvolvido um trabalho dominante na arte da marioneta.

O FIMFA é organizado pela Tarumba – Teatro de Marionetas de Lisboa, e tem direção artística de Luís Vieira e Rute Ribeiro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)