Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo apela a “programa de emergência” para solucionar a crise na comunicação social

Para Marcelo Rebelo de Sousa "comunicação social em crise é democracia em crise". O Presidente da República, em resposta ao estado do setor, apelou aos políticos "um programa de emergência".

RODRIGO ANTUNES/LUSA

O Presidente da República pediu esta quarta-feira aos decisores políticos “um programa de emergência” para responder à crise na comunicação social, remetendo para as medidas fiscais, entre outras, que as associações do setor têm proposto anualmente.

Numa conferência sobre “Democracia e Liberdade de Imprensa”, organizada pela revista Sábado, num hotel de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a alertar que “comunicação social em crise é democracia em crise” e defendeu que “é necessário um programa de emergência”.

“Todos os anos, pelo debate do Orçamento do Estado, surgem propostas nomeadamente em matéria tributária, mas não só, que se aproximam daquilo que de melhor há noutros países insuspeitos do mundo, democracias há muito consolidadas. E nesse apelo vai a chamada de atenção aos legisladores para que se debrucem sobre o problema”, referiu.

Segundo o chefe de Estado, é possível estabelecer “esquemas gerais e abstratos que permitam equacionar vias ao menos para este período transitório de crise mais aguda” e há que passar à ação.

“Ando há três anos, não direi a pregar no deserto, mas a pregar quase no deserto, porque todos concordam com o diagnóstico da situação”, lamentou.

À saída desta conferência, realizada por ocasião do 15.º aniversário da revista Sábado, Marcelo Rebelo de Sousa esclareceu que o seu apelo se dirige “a todos, aos responsáveis políticos, aos responsáveis patronais, aos responsáveis sindicais, aos próprios profissionais da comunicação social”.

“Mas muito aos decisores políticos, bem entendido”, frisou. Questionado sobre quais as medidas que deveriam constar do referido “programa de emergência”, o Presidente da República respondeu: “Eu não tenho de pensar em medidas, até porque as associações do setor já várias vezes falaram nisso”.

“As associações do setor, todos os orçamentos do Estado, apresentam um conjunto de medidas, algumas fiscais, outras de formação, outras de incentivo à leitura, outras pensando sobretudo nos órgãos daqueles Portugais desconhecidos, nomeadamente do interior, com mais dificuldade, outras pensando na imprensa regional e local”, repetiu, considerando que “há uma variedade grande de ideias e de projetos”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Another brick in the wall?

Maria Castello Branco

Como todos os que desfrutaram da liberdade de circulação e do Erasmus bem sabem, a Europa é o pluralismo de nações, mas ela está demasiado centralizada e burocrática para que a diversidade seja ouvida

Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)