A GNR anunciou este domingo a recuperação de 14 mil paletes e grades de transporte furtadas de uma empresa do ramo alimentar no norte do país, num valor estimado de 55 mil euros. Três dos funcionários da empresa são suspeitos do crime e foram constituídos arguidos.

A investigação da GNR, que durou cerca de dois meses, surgiu após a denúncia da própria empresa, face ao “constante desaparecimento de paletes e grades utilizadas no transporte dos seus produtos”.

A operação culminou na semana passada, nos concelhos de Gondomar, Maia, Matosinhos, Vila Nova de Gaia, Oliveira de Azeméis e Leiria, com a apreensão, em várias empresas, de cerca de 14 mil paletes e grades de transporte furtadas e a identificação de três funcionários da empresa lesada, “suspeitos de venderem aqueles materiais a empresas de revenda de paletes, tendo um dos funcionários sido apanhado em flagrante a proceder a uma das vendas”.

A GNR conseguiu apurar que cada palete era vendida às empresas de revenda por 1,5 euros, sendo estas posteriormente vendidas a empresas de distribuição por um valor entre os sete e os oito euros cada.

Foram também identificadas sete empresas do ramo da compra e venda de paletes, assim como 11 homens, com idades compreendidas entre os 18 e os 60 anos. Os três funcionários foram constituídos arguidos e sujeitos à medida de coação de termo de identidade e residência pelo Tribunal Judicial de Gaia, segundo indica a GNR em comunicado.