Rádio Observador

Copa América

Pedro Correia, o português que estragou uma noite de sonho a Tacuara Cardozo no Maracanã

Pedro Correia, ou Ró-Ró, foi titular pelo Qatar e contribuiu para um empate na estreia na Copa América em pleno Maracanã frente ao Paraguai que chegou ao 2-0 por Tacuara Cardozo e Derlis González.

Pedro Correia, ou Ró-Ró, foi mais uma vez titular no Qatar, que confirmou as boas indicações deixadas na Taça da Ásia

AFP/Getty Images

Depois de ter saído do Benfica em 2014, onde conseguiu bater uma série de registos entre os melhores marcadores estrangeiros do clube ao longo de sete anos, Óscar Cardozo esteve dois anos nos turcos do Trabzonspor, passou uma temporada nos gregos do Olympiacos e regressou ao Paraguai para representar o Libertad. Aos 36 anos, o avançado que já não era propriamente o mais rápido do mundo vai gerindo os jogos e o esforço como pode mas mantém o intacto o instinto para fazer golos, até mesmo aqueles impossíveis como o que marcou ao The Strongest na Taça dos Libertadores do meio-campo. Os 24 jogos realizados entre Liga nacional e competições estrangeiros valeram-lhe a chamada à Copa América. A bom tempo.

A equipa de Eduardo Berizzo tem no criativo Miguel Almirón o seu grande destaque mas o experiente dianteiro continua como intocável, tendo mesmo inaugurado o marcador frente ao Qatar no Maracanã de grande penalidade antes de ver um golo após assistência do jogador do Newcastle que andou algum tempo nos Estados Unidos anulado pelo VAR. Com esse 1-0, o Tacuara tornou-se o terceiro mais velho de sempre a marcar num encontro da Copa América, sendo apenas superado nesse particular pelo mexicano Rafael Márquez e pelo peruano Claudio Pizarro, outros jogadores com muita experiência europeia. Em paralelo, o antigo jogador encarnado bateu um recorde com mais de 70 anos, sendo o mais velho a marcar pelo Paraguai.

O Paraguai estava melhor, saiu a ganhar ao intervalo e aumentou a vantagem ainda no primeiro quarto de hora após o intervalo com um grande golo do avançado Derlis González, outro antigo jogador que passou pelo Benfica vindo ainda com idade de júnior do Rubio Ñu antes de ser emprestado a Guarani e Olimpia (seria vendido em 2014 ao Basileia, de onde se transferiu na época a seguir para os ucranianos do Dínamo Kiev, com quem tem ainda contrato). Tudo parecia resolvido e o conjunto de Berizzo tinha na mão a possibilidade de arrancar com um triunfo e igualar a Colômbia na liderança do grupo mas uma grande recuperação do Qatar, uma das equipas convidadas para esta edição da Copa América, evitou esse cenário.

Golos de González e Cardozo, aqui a discutirem a bola com Salman, foram insuficientes para o Paraguai CARL DE SOUZA/AFP/Getty Images)

Com o português naturalizado Pedro Correia, mais conhecido como Ró-Ró, de novo como titular no lado direito da defesa, os asiáticos reduziram num grande golo também de Almoez Ali (68′) e chegaram mesmo ao empate a 13 minutos do final por Boualem Khoukhi, abrindo por completo uma partida que parecia estar resolvida para alegria dos poucos (mesmo poucos) adeptos que estiveram no Maracanã, no segundo jogo com assistências que deixam muito a desejar depois do Peru-Venezuela.

Em paralelo, a equipa liderada pelo espanhol Félix Sánchez, técnico que esteve uma década na formação do Barcelona antes de se mudar para a Aspire Academy e assumir a seleção Sub-19 do país em 2013, subindo escalões até ao conjunto principal em 2017, confirmou as boas indicações deixadas na Taça da Ásia, que conquistou pela primeira vez após derrotar o Japão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)