Donald Trump já tinha anunciado a decisão de enfraquecer a economia do Irão, e está agora a levar a cabo as suas ideias. Esta segunda-feira, o presidente dos Estados Unidos afirmou na Casa Branca que vai impor novas sanções ao Irão, pela “conduta hostil do regime”, e num ataque dirigido ao líder supremo daquele país, Ayatollah Ali Khamenei. A informação é avançada pelo New York Times.

Vamos continuar a aumentar a pressão a Teerão. O Irão nunca conseguirá  ter uma arma nuclear”, afirmou Trump.

O objetivo da medida é enfraquecer o poder económico do Irão e impedir que os líderes do país tenham acesso a instrumentos financeiros. “As sanções impostas através de ordem do Governo… vão negar ao Líder Supremo e ao seu executivo, e a todos os que lhe forem próximos, acesso a recursos e apoios financeiros chave”, explicou Trump, citado pela Reuters. A Casa Branca quer ainda forçar Teerão a falar sobre os seus programas nucleares e atividades militares naquela região.

Trump diz que Ali Khamenei é o responsável pela “conduta hostil do regime” do Irão e afirma que as sanções iriam ser impostas mesmo que o incidente com o drone não tivesse ocorrido. Por sua vez, o Irão responde que as sanções “não vão ter consequências”.

Na sequência do drone norte-americano abatido pelo regime de Ali Khamenei, os EUA lançaram ciberataques contra sistemas de disparo de mísseis e redes de espionagem iranianas. O Irão afirma que os ataques não tiveram sucesso.

Os Estados Unidos apontam o dedo a Teerão pelo ataque a dois petroleiros no Golfe Pérsico. O Irão nega a responsabilidade. Washington já anunciou que está a formar uma “aliança” para proteger embarcações que se encontrem naquela zona marítima.

Pacote suspeito nas imediações da Casa Branca

No mesmo dia em que Trump anunciou as medidas, a Casa Branca foi encerrada devido a um “pacote suspeito” que foi colocado na Pennsylvania Ave, a morada da residência oficial do presidente dos EUA. O incidente ocorreu na manhã desta segunda-feira e foi noticiado pelo Independent.

Vários jornalistas que estavam no local foram obrigados a refugiar-se na sala de conferências de imprensa da Casa Branca. “Estamos literalmente fechados aqui. Não conseguimos ver muito, mas os Serviços Secretos passaram a correr no relvado”, escreveu no Twitter uma jornalista.

Este é a segunda vez em menos de uma semana que a Casa Branca é sujeita a um “lockdown“. Na quarta-feira, um homem tentou saltar a vedação da Casa Branca e largou uma mochila suspeita nas redondezas do local. A residência foi encerrada e o suspeito foi detido pelas autoridades.

Atualizado às 18h00