Rádio Observador

Arábia Saudita

Arábia Saudita. Murtaja conseguiu fugir, mas há três jovens ativistas condenados à pena de morte

106

Ali e Dawud foram presos aos 17 anos e Abdalá aos 15 por terem participado em protestos contra o regime saudita. Enfrentam a pena de morte a qualquer momento. Amnistia pede abolição das sentenças.

Murtaja Qureiris foi detido em 2014, aos 13 anos. Quando tinha 10 anos, levantou um megafone e gritou: "As pessoas exigem direitos humanos!"

Amnistia Internacional

“O Ali vive num estado de pânico. Cada vez que abrem a porta da sua cela, pensa que chegou o seu momento”. As palavras são de Taha al Hajj, advogado de Ali al Nimr, um dos jovens que foi detido quando era menor na Arábia Saudita e enfrenta a qualquer momento a pena capital e exposição pública do seu corpo decapitado. Juntamente com Abdalá al Zaher e Dawud al Marhun, os três jovens passaram a adolescência atrás das grades e aguardam uma execução por se terem juntado a protestos contra o regime saudita quando ainda eram menores.

Nos três casos, conta o El Mundo, os jovens foram detidos em circunstâncias de violência policial: Ali estava a andar de bicicleta quando foi atropelado por um carro da polícia, Abdalá foi baleado e espancado pelas forças de segurança e Dawud foi detido enquanto esperava no hospital por uma operação que nunca chegou a acontecer. Os jovens aguardam agora a “crucificação”, um termo utilizado na Arábia Saudita para se referir aos prisioneiros que são decapitados e cujos corpos são posteriormente exibidos em público.

“Nenhum deles foi acusado de crimes de sangue. A única acusação que há é a de terem tentado a agitação, quebrado a paz social e reclamado a queda do regime”, acrescenta o advogado de Ali, citado pelo jornal espanhol. Ele próprio teve de abandonar a Arábia Saudita para fugir à repressão do regime e pediu asilo na Alemanha. Ainda esta semana, as organizações internacionais conseguiram impedir a ameaça de pena capital sobre um quarto jovem, Murtaja Qureiris.

Ali é agora um homem crente que tem dado o seu destino a Deus. Ele não fez nada de errado, mas sabe que o seu futuro está nas mãos da vontade divina”, relata Mohamed al Nimr, pai de Ali Al Mimr.

Ali foi preso aos 17 anos, acusado de “organizar protestos com o seu Blackberry, de tirar fotografias das manifestações, de ensinar primeiros socorros aos participantes e de cantar contra o Estado” durante os protestos em massa que em 2011, período da Primavera Árabe, foram liderados pela minoria xiita. O jovem vem de uma família ligada ao ativismo: o seu pai é empresário e jornalista e o seu tio Nimr Nimr é um clérigo xiita que se tornou uma figura dos protestos e exigiu reformas políticas e o fim da discriminação e corrupção no reino.

Já Abdalá foi preso quando tinha 15 anos por estar ligado a uma onda de protestos e permaneceu incomunicável nos primeiros três meses em que esteve preso. Terá sido forçado a assinar uma confissão que não conseguir ler e terá também sido torturado. Dawud al Marhun, o terceiro jovem, foi preso em 2012, quando tinha 17 anos, pelas mesmas acusações. Um dos seus interrogatórios, conta o El Mundo, durou 18 horas consecutivas e também Dawud terá sido forçado a colocar a sua assinatura numa folha de papel branca que mais tarde foi usada pelos funcionários para incluir a sua suposta confissão. Abdalá e Dawud aguardam o seu destino na prisão de máxima segurança do Al Hair, o maior complexo prisional da Arábia Saudita.

Murtaja Qureiris foi detido em 2014, aos 13 anos. Quando tinha 10 anos, levantou um megafone e gritou: “As pessoas exigem direitos humanos!”, tendo aquela ação sido considerada um protesto político (proibido na Arábia Saudita). O jovem foi acusado de vários crimes: participação em protestos anti-governamentais, ida ao funeral de um ativista anti-governamental (o seu irmão), posse de arma de fogo, lançamento de cocktails molotov e pertença a uma organização terrorista. Tornou-se o mais jovem preso político do país. Entretanto, foi divulgado que Murtaja não será executado e pode ser libertado até 2022.

“As notícias de que Murtaja Qureiris não vai enfrentar a execução são um grande alívio para ele e para a sua família, mas é um ultraje que as autoridades da Arábia Saudita tivessem procurado a pena de morte para alguém que foi preso inicialmente com 13 anos. O uso da pena de morte contra pessoas que tinham menos de 18 anos na altura do crime é uma violação flagrante da lei internacional”, referiu a Amnistia Internacional em comunicado.

A Amnistia recorda ainda que as autoridades sauditas pouparam a vida deste jovem, “mas a lei na Arábia Saudita continua a permitir que as pessoas sejam presas por crimes que cometeram quando eram crianças e sentenciadas à pena de morte”. Para isso, acrescentam, “as autoridades devem abolir o uso da pena de morte cometido por jovens”, começando “imediatamente” por “anular as sentenças de morte de Ali al-Nimr, Abdullah al-Zaher e Dawood al-Marhoon”.

Em abril deste ano, a Arábia Saudita decapitou 37 homens por crimes de terrorismo. Segundo o responsável da ONU pelos direitos humanos, a maioria é xiita, e pessoas que podem não ter tido julgamentos justos. Deste número, pelo menos três dos mortos eram menores quando conheceram a sua sentença.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)