A procuradoria de Paris descartou a hipótese de fogo posto na investigação ao incêndio que consumiu parte da histórica catedral parisiense de Notre-Dame, noticia o jornal francês Le Figaro.

De acordo com aquele jornal, que cita um comunicado da procuradoria de Paris, a investigação judicial está neste momento focada na hipótese de incêndio involuntário

Um cigarro mal apagado ou um curto-circuito na instalação elétrica são as duas hipóteses mais fortes a ser estudadas pelas autoridades.

O procurador Rémy Heitz disse, em declarações citadas pelo Le Figaro, que “neste momento não há provas que sustentem a hipótese criminal”, mas acrescentou que neste momento não é possível “determinar as causas do fogo”.

A possibilidade de o fogo ter sido provocado por um cigarro mal apagado ou por um curto-circuito estão a ser consideradas pelos investigadores, mas ainda não é possível concluir por uma ou por outra.

“Mais investigações profundas, incluindo com recurso ao trabalho de especialistas, terão de ser conduzidas a partir de agora”, acrescentou o procurador, explicando que a investigação está a ser feita no âmbito de um processo movido pelo Ministério Público contra desconhecidos por danos involuntários pelo fogo.