Rádio Observador

Irão

Irão anuncia que começará a enriquecer urânio a um nível proibido “nas próximas horas”

305

O Irão retomará o enriquecimento de urânio a uma taxa superior a 3,67%, quebrando assim um dos principais compromissos assumidos no acordo assinado em 2015.

Teerão ameaçou ainda livrar-se de outras obrigações em matéria nuclear nos próximos “60 dias”

IRAN PRESIDENTIAL OFFICE / HANDO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Irão confirmou este domingo que começará “nas próximas horas” a enriquecer urânio a um nível proibido pelo acordo sobre o seu programa nuclear, concluído em 2015, desafiando a comunidade internacional.

“Em poucas horas”, que será o tempo para acertar alguns detalhes técnicos, o Irão retomará o enriquecimento de urânio a uma taxa superior a 3,67%, disse aos jornalistas Behrouz Kamalvandi, porta-voz da Organização Iraniana de Energia Atómica (OIEA), sem especificar a nova taxa a que o Irão pretende enriquecer este metal radioativo.

Teerão ameaçou ainda livrar-se de outras obrigações em matéria nuclear nos próximos “60 dias”, a menos que uma outra solução seja encontrada, com os seus parceiros do acordo sobre o programa nuclear iraniano, para responder às suas exigências.

Nós esperamos que possamos encontrar outra solução, caso contrário, daqui a 60 dias iniciaremos a terceira etapa” do plano de redução dos compromissos assumidos pelo Irão relativamente a este acordo, concluído em Viena, em 2015, declarou à imprensa Abbas Araghchi, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros.

O enriquecimento de urânio pelo Irão é fortemente contestado pela comunidade internacional, nomeadamente pelos EUA, União Europeia, China e Rússia.

A Agência Internacional de Energia Atómica (AEIA) anunciou que uma reunião extraordinária terá lugar em 10 de julho, a pedido dos EUA, para analisar as revogações ao acordo anunciadas pelo Irão.

Com estas decisões, o Governo iraniano pretende responder à decisão anunciada em maio de 2018 pelo presidente norte-americano, Donald Trump, de sair unilateralmente deste pacto e de restabelecer as sanções dos EUA contra o Irão, que tinham sido suspensas com o cumprimento do acordo por Teerão.

O acordo de Viena foi concluído entre o Irão e o grupo dos seis (China, EUA, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha), após 12 anos de crise à volta do programa nuclear iraniano.

Segundo o documento, o Irão compromete-se a não se dotar de bomba atómica e a limitar drasticamente as suas atividades nucleares em troca do levantamento de sanções internacionais que asfixiavam a sua economia.

Trump justificou a saída deste pacto ao acusar o Irão de nunca ter renunciado a dotar-se de uma arma atómica (enquanto Teerão sempre desmentiu esta acusação) e de ser a origem de todos os problemas no Médio Oriente.

As novas sanções dos EUA, desde agosto de 2018, fizeram fugir do Irão as empresas estrangeiras que tinham regressado após o acordo, fazendo cair a economia iraniana numa grave recessão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)