Rádio Observador

Astronomia

Os astrónomos estão confusos. Esta é provavelmente a estrela mais estranha alguma vez descoberta

266

Uma mega estrutura alienígena? Pouco provável, mas a estrela é tão estranha que este chega a ser um dos cenários ponderados pelos astrónomos. Desde 2015 que há achados de estrelas "estranhas".

YouTube/JohnMichaelGodier

Desde a descoberta da estrela ‘Tabby’, em 2015, que se multiplicam as descobertas de “estrelas estranhas”, de acordo com o jornal espanhol ABC. A estrela agora descoberta já registou 28 “escurecimentos anómalos” em 87 dias, “sem que haja uma explicação aparente”, o que está a deixar os investigadores intrigados.

O mais comum é que estes escurecimentos de estrelas indiquem a presença próxima de um planeta, que oculta a luz da estrela cada vez que passa por ela, mas o argumento não é válido para a estrela agora descoberta já que os astrónomos não conseguiram identificar um padrão regular para a perda de luminosidade, que se registaria caso se tratasse de um planeta a passar em torno da estrela.

A falta de luz na estrela, a HD 139139, é semelhante à que é provocada pelos trânsitos planetários, semelhantes em forma e em intensidade, mas nem os trânsitos planetários explicam na totalidade o comportamento da estrela. Quando os investigadores da Universidade de Austin, no Texas, se debruçaram mais em profundidade sobre os dados recolhidos, puderam confirmar que os “apagões” aconteciam a um ritmo “totalmente irregular sem qualquer rotina aparente”.

“Há dez anos que observamos estrelas com este grau de precisão”, garante Hugh Osborn, do Laboratório de Astrofísica de Marselha, em França, co-autor do estudo, “mas esta é a primeira vez que encontramos algo que parece ser um planeta em trânsito, mas que não tem uma periodicidade aparente. Algo estranho está a acontecer”.

E é nesta estranheza que cabem as possíveis explicações: será um sistema de planetas ou uma mega-estrutura alienígena?

Já quando ‘Tabby’ foi descoberta a pouco provável hipótese de se tratar de uma estrutura alienígena foi colocada e, agora, a hipótese surge mas apenas depois de descartadas todas as hipóteses “mais lógicas”.

Um dos autores do estudo, Vanderburg, reconhece que a atribuição de fenómenos desconhecidos a explicações alienígenas é comum, mas que a ciência acaba por conseguir explicar os fenómenos: “Em astronomia, temos um grande historial de coisas que não entendemos, que atribuímos a extraterrestres e depois acabamos por provar que são naturais e há bastantes possibilidades que este se trate de mais um desses casos”.

Segundo os cálculos feitos pelos astrónomos, se todos os escurecimentos de HD 139139 se devem a trânsitos planetários isso significa que o remoto sistema conta com um número muito grande de planetas, muitos mais que qualquer outro sistema planetário conhecido.

Uma das explicações possíveis para a perda de brilho da estrela seria também um cinturão de asteróides ou um planeta que esteja a desintegrar-se, mas — de acordo com os investigadores — mesmo um planeta desfeito aos pedaços continuaria a produzir padrões identificáveis e, caso se tratasse de um cinturão de asteróides teriam todos o mesmo tamanho e densidade (tal como as perdas de luz na estrela).

Certo é que, para já, o mistério irá continuar. Os astrónomos vão continuar a estudar o comportamento da estrela até que haja explicação para os estranhos padrões de luz registados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)