Se até agora tivemos um verão “tímido”, prepare-se para uma subida acentuada das temperaturas em todo o país. O calor vem aí e os termómetros podem atingir máximas de 36º C em Lisboa, 33º C no Porto e 29º C na zona do Algarve. A previsão é do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que aponta ainda para um aumento da nebulosidade no centro e sul do continente.

Santarém será a zona mais quente do país, com uma previsão que aponta para temperaturas de 39º C durante a tarde. Seguem-se Évora, Beja e Setúbal — as três cidades com 37º C — e Lisboa. Já nas ilhas, os termómetros não deverão chegar aos 30º C. A temperatura mais baixa registada até agora foi em Bragança: 14º C, na madrugada desta quarta-feira.

E amanhã vai estar ainda mais calor: as temperaturas podem atingir os 40º C em Setúbal e 41º C em Évora. Para Santarém, o IPMA prevê máximas de 42º C.

Com o acentuar do calor aumenta também o risco de incêndios. Até ao fim da semana, a maior parte do país estará em risco elevado, muito elevado ou máximo de incêndio. Esta quarta-feira, Faro, Santarém, Castelo Branco e Portalegre são os distritos mais em alerta por apresentarem um risco máximo de incêndio. Apenas o norte e o litoral de Portugal continental apresenta em geral um risco reduzido e moderado.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo, sendo o muito elevado o segundo nível mais grave. Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O aumento das temperaturas levou ainda o IPMA a colocar todo o continente — à exceção de Faro — sob aviso amarelo. Este é o nível menos grave e ficará patente até às 22h00 de sexta-feira.

Calor, risco de incêndio e, claro, perigo de exposição a raios UV

O continente e ilhas apresentam também um risco muito elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV).  O IPMA recomenda, por isso, a utilização de óculos de sol com filtro UV, chapéu, t-shirt, guarda-sol, protetor solar e evitar a exposição das crianças ao sol.

O índice ultravioleta varia entre 1 e 2, em que o risco de exposição à radiação UV é baixo, 3 a 5 (moderado), 6 a 7 (elevado), 8 a 10 (muito elevado) e superior a 11 (extremo). O cálculo é feito com base nos valores observados às 13h00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.