Rádio Observador

Viral

Negzzia, a história da modelo iraniana que chegou a dormir nas ruas de Paris

Está em Paris há nove meses e até há bem pouco tempo dormia nas ruas da capital francesa. A iraniana conseguiu o estatuto de refugiada depois de fugir do país de origem por ter posado nua.

©negzzia/Instagram

Negzzia não é o seu nome verdadeiro, mas é desta forma que a modelo iraniana se está a dar a conhecer. Aos 29 anos, e depois de nove meses a viver em Paris, conseguiu finalmente o estatuto de refugiada — a modelo fugiu do país de origem depois de um fotógrafo para quem posou nua ter sido detido; se ficasse, enfrentaria uma pena de prisão e um castigo de 148 chicotadas, visto que a nudez é punida no Irão. A história da iraniana tem feito correr muita tinta e recuperá-la é deparar também com pontas soltas — o Observador já tentou entrar em contacto com Negzzia, não tendo ainda obtido qualquer resposta.

A história de Negzzia tem sido divulgada em diferentes meios internacionais, sobretudo depois de esta ter dado uma entrevista à agência de notícias Efe, na qual admite que a mudança para a Europa tornou-se mais difícil do que o esperado e obrigou-a a dormir nas ruas de Paris, capital da moda, uma situação que não mudou após o estatuto de refugiada — isto é, a modelo continua sem ter morada fixa e depende da ajuda de terceiros. A narrativa da modelo iraniana fez até com que o ministro do Interior francês, Christophe Castaner, reagisse no Twitter, onde escreveu que a Negzzia seria oferecido asilo. Mas até agora nada aconteceu, garante a Efe.

No Irão trabalhou como modelo desde os 22 anos, carreira interrompida com a detenção de um fotógrafo com o qual tinha trabalhado. O susto fê-la pegar numa pequena mala e mudar-se para Istambul, uma cidade onde a adaptação não foi fácil. Por lá trabalhou durante um ano na indústria da moda, mas o conservadorismo voltou a condicionar o seu caminho: tinha acabado de pintar o cabelo de vermelho, pelo que recebia insultos de pessoas na rua. Negzzia recorda que uma mulher chegou mesmo a mordê-la.

Estas experiências convenceram-na a rumar até Paris. “O meu visto chegou, eu estava muito e feliz e o homem [que a estava a ajudar] disse-me ‘Está tudo pronto, mas na primeira semana vou alugar um quarto de hotel em frente à Torre Eiffel e nós podemos passar uma semana maravilhosa juntos”, conta em entrevista à Efe. O homem, cuja identidade não é revelada, prometera-lhe trabalho em França, mas assim que a modelo recusou os avanços, ele desapareceu do radar. “Eu e ele num quarto de hotel. Só tem um significado. Nunca na minha vida quero dormir com alguém para alcançar o sucesso”, confirma.

View this post on Instagram

Les supergirls ne pleurent pas, Elles volent !

A post shared by Supergirl (@negzzia) on

Mas sem os papéis em dia foi particularmente difícil encontrar trabalho, sobretudo na área da moda. O dinheiro acabou ao fim de um mês e o processo que lhe garantia o prometido asilo não avançava depressa o suficiente. Foram várias as pessoas que ofereceram ajuda, um ato de pouca boa vontade, uma vez que o interesse era dormir com ela, conta — um homem terá mesmo fechado a modelo num quarto durante uma semana e outro tentou que ela trabalhasse como stripper. Negzzia pensou em tirar a própria vida em três momentos distintos.

Negzzia ainda se lembra da primeira noite em que dormiu nas ruas de Paris — fazia muito frio e estava esfomeada. A Efe garante que a iraniana não desistiu de ser modelo, pelo que usa parte do subsídio do estado, no valor total de 400 euros, na subscrição de um ginásio para manter a forma física — a quantia que recebe não é suficiente para alugar um quarto em Paris, mas amigos que fez no ginásio já lhe ofereceram uma cama. A atenção dos media tem sido certamente um contributo, já que a sua conta de Instagram já acumula mais de 130 mil seguidores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)