Rádio Observador

Vaticano

Rui Nunes afastado de colaboração com o Vaticano por causa de opiniões sobre a eutanásia

206

Presidente da Associação de Bioética tinha sido nomeado membro de um dos organismos que aconselham o Papa. Artigos sobre eutanásia e procriação medicamente assistida levaram a que fosse afastado.

(artigo em atualização)

As opiniões do presidente da Associação Portuguesa de Bioética, Rui Nunes, sobre a eutanásia levaram-no a ser afastado da Academia Pontifícia para a Vida, organismo do Vaticano responsável por estudar e aconselhar o Papa Francisco em assuntos relacionados com a vida humana.

Num comunicado divulgado no site oficial, a Academia Pontifícia para a Vida confirmou que “no dia 27 de fevereiro de 2019 o Prof. Rui Nunes, da Universidade do Porto em Portugal, recebeu uma carta de nomeação como membro correspondente desta Academia”.

“Depois de alguns meses, tendo em conta a publicação de vários artigos de media portugueses assim como uma mais aprofundada avaliação do trabalho científico do Professor no tocante ao tema do fim da vida, a Academia chegou, de completo acordo com o próprio Prof. Rui Nunes, à revogação da nomeação através duma carta que o Presidente desta Academia assinou e enviou ao catedrático português”, lê-se no comunicado.

Rui Nunes também divulgou a notícia, mas sob outro ponto de vista. Num comunicado enviado aos meios de comunicação social, o académico da Universidade do Porto nunca refere a palavra “revogação” — fala, antes, numa “colaboração mais informal” a partir de agora.

“Por acordo mútuo entre o Prof. Rui Nunes e a Academia Pontifícia para a Vida, entendeu-se, agora, que era mais profícua uma colaboração mais informal permitindo este tipo de colaboração que Prof. Rui Nunes mantenha toda a sua liberdade e independência na defesa de problemas candentes da Bioética contemporânea, designadamente a defesa do Testamento Vital, a implementação de políticas de Igualdade de Género, ou a aplicação das mais modernas tecnologias de Procriação Medicamente Assistida”, diz o comunicado enviado por Rui Nunes.

O académico sublinha ainda que ter ficado honrado com a “nomeação como membro correspondente da Academia Pontifícia para a Vida, organismo do Vaticano que trabalha em estreita colaboração com o Papa Francisco”.

“O Papa Francisco representa hoje para toda a humanidade e que veio reconhecer o trabalho desenvolvido pelo professor catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto no campo da Bioética”, diz Rui Nunes.

Ao que o Observador apurou, a nomeação foi confirmada pelo Vaticano sem o seu perfil ter sido completamente estudado pelos responsáveis que aconselham o arcebispo Vincenzo Paglia, que preside àquela academia pontifícia desde 2016.

Aliás, a nomeação assinada em fevereiro, que foi conhecida em abril deste ano, foi recebida com surpresa entre no meio católico português, onde Rui Nunes já era conhecido — sobretudo porque as suas posições relativamente a assuntos controversos como os relacionados com a bioética se terem gradualmente afastado da doutrina oficial da Igreja Católica.

Fontes ouvidas pelo Observador admitem que a nomeação gerou desconforto no meio católico, onde a nomeação não foi compreendida. Esse desconforto, aliás, motivou um grupo de católicos portugueses a enviar para o Vaticano um conjunto de artigos escritos por Rui Nunes sobre temas fraturantes como a eutanásia ou a procriação medicamente assistida — artigos que viriam a fazer o Vaticano mudar de opinião sobre a relação com o académico português.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)