Rádio Observador

Séries

Casa de Papel: terceira temporada na praia e com águas de coco?

126

Os fãs de "A Casa de Papel não terão que esperar além de sexta-feira para entrar na nova temporada da série. Para já podemos dizer que as cenas no exterior foram gravadas em ilhas de sonho.

Rio e Tokio na ilha onde gravaram a estória romântica do par

Quem viu as primeiras duas temporadas da “A Casa de Papel” está habituado aos cenários escuros e sombrios tão típicos da garagem do Professor ou das tendas de emergência montadas pela polícia espanhola. Se vai assistir à terceira temporada não vai precisar de ajustar o contraste dos ecrãs, pelo menos não nos tons escuros. Tailândia, Panamá e Guna Yala, um pequeno arquipélago na costa leste do Panamá, formado por mais de 300 ilhas, 49 das quais habitadas pelo povo indígena Guna, foram alguns dos países escolhidos pela produção da série para rodar as cenas exteriores da terceira temporada. Não é difícil imaginar a diferença entre os planos da garagem do professor e as imagens de águas azuis e coqueiros.

Em entrevista ao El Español, o criador da série Álex Pina, conta que a decisão de gravar em Guna Yala ficou dependente de um “conselho de sábios reunido numa cabana de palha”. Foi em Guna Yala que se gravaram as imagens do retiro de Tokio e Río.

Algumas das imagens das ilhas onde foram gravadas as cenas surgem, inclusivamente, num dos trailers da terceira temporada já divulgados.

Mas não só de ilhas se fará esta terceira temporada. Reino Unido, Itália e — como não podia deixar de ser — Espanha, são mais três países palco da série. Mas as novidades não se ficam pelos cenários. A cronologia da série também será diferente. Tem bem presente o relato feito por Tokio ao longo dos episódios? Esqueça. Na terceira temporada vão correr cinco tempos em simultâneo e caberá ao espetador fazer o puzzle na cabeça para encaixar todos os momentos na ordem correta. Será desafiado a ser uma espécie de Professor, atento a tudo, a todo o momento.

Álvaro Morte, o Professor na série partilhou no Instagram algumas fotografias das ilhas

Na entrevista ao jornal espanhol, os atores relatam alguns momentos desafiantes pelos quais passaram devido à notoriedade que a série atingiu um pouco por todo o mundo. Recordam fugas de locais onde tinham estado a gravar em carrinhas pouco suspeitas, porque de outra forma seria difícil sair com as solicitações para autógrafos e selfies; recordam as idas ao ginásio dos quais passaram de demorar 10 minutos a sair para demorar mais de 25, com fotografias pelo caminho; e Úrsula Corberó lembra ainda a ideia “triste” que teve de passar férias na Grécia onde achava ser anónima.

“Foi a pior decisão da minha vida. Acho que a Grécia é o local onde mais me conhecem no mundo”, confidenciou a atriz que dá vida a Tokio na série.

Miguel Hérran e Úrsula Corberó durante as gravações da série

Miguel Herrán, Rio o par romântico de Tokio na série, partilhou que no que diz respeito a viajar ao estrangeiro há que ser paciente. “Se és uma pessoa que se chateia com facilidade não podes ir a lado nenhum, estás tramado”.

Apesar das dificuldades e desafio da fama, os atores afirmam estar a viver “um sonho do qual não querem acordar”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)