Jeffrey Epstein foi encontrado na noite desta quarta-feira no chão, quase inconsciente, com marcas no pescoço e em “posição fetal” por um guarda na prisão de Nova Iorque, onde aguarda julgamento por abuso e tráfico de menores, revelou o jornal americano NBCNews.

Ainda não foram confirmadas as razões para os ferimentos, estando em cima da mesa três possibilidades, sendo uma delas a suspeita de que o milionário norte-americano, amigo de Donald Trump e Bill Clinton, tenha tentado o suicídio. Também está sob investigação a possibilidade de ter sofrido o ataque de outro preso, ou de ter-se automutilado para forçar a sua transferência para outra prisão, adiantou a estação televisiva norte-americana.

Epstein, que já tinha sido acusado de abuso sexual em 2008, está atualmente na Metropolitan Correction Center à espera do julgamento sobre as acusações de tráfico sexual de menores. O multimilionário norte-americano foi detido em Nova Jersey no último dia 6 de julho, e a polícia encontrou diversas fotos de raparigas nuas na sua mansão em Nova Iorque. Se for condenado, pode atingir até 45 anos de pena de prisão por abuso e tráfico sexual de menores, além de pornografia infantil.

Jeffrey Epstein, o milionário amigo de Trump, foi detido por acusações de tráfico sexual de menores

Epstein tentou previamente um pagamento de 100 milhões de dólares (89,9 milhões de euros) como fiança, além de ter acordado com a utilização de um sistema de monitorização para que não saísse dos Estados Unidos. Os procuradores recusaram o acordo, apresentando entretanto provas de que o multimilionário poderia sair do país, já que apreenderam um montante elevado de dinheiro em notas e um passaporte australiano com pseudónimo no cofre da sua mansão em Nova Iorque.