Rádio Observador

Literatura

Contos inéditos de Marcel Proust publicados em França em outubro

132

Contos inéditos, escritos quando Proust tinha 20 anos, vão ser publicados no próximo dia 9 de outubro, sob o título "Le mystérieux correspondant et autres nouvelles inédites".

De acordo com o editor, estes relatos deveriam ter feito parte do primeiro livro do escritor, "Les plaisirs et les jours" (1896), mas que ele rejeitou

CHRISTOPHE PETIT TESSON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Contos inéditos do escritor francês Marcel Proust (1871-1922) vão ser publicados no próximo dia 9 de outubro, sob o título “Le mystérieux correspondant et autres nouvelles inédites”, anunciaram nesta segunda-feira as edições Fallois, em Paris.

O volume reúne nove textos de Proust, escritos de juventude, datados de quando o autor de “Em Busca do Tempo Perdido” tinha cerca de 20 anos, e abordam sobretudo “o amor tão injustamente condenado” entre pessoas do mesmo sexo.

De acordo com o editor, estes relatos deveriam ter feito parte do primeiro livro do escritor, “Les plaisirs et les jours” (1896), mas que ele rejeitou. A descoberta dos inéditos foi feita pelo fundador da casa editorial, Bernard de Fallois, especialista na obra de Marcel Proust, que morreu no ano passado.

Bernard de Fallois foi também o responsável pela revelação de um romance inédito do escritor, redigido entre 1895 e 1899, “Jean Santeuil”, publicado pela Gallimard em 1952, assim como pela edição de “Against Sainte-Beuve”, em 1954.

“Com esta coletânea de textos inéditos regressamos às origens de ‘Em Busca do Tempo Perdido’, a grande obra de Marcel Proust”, afirmam as edições de Fallois, no comunicado divulgado esta segunda-feira, na sua página na internet.

“Estes relatos refletem um trabalho minucioso”, escreve a casa Fallois, que destaca o facto de se inscreverem nos parâmetros do conto, da narrativa breve, encenando “uma situação, os seus reveses e a resolução final”, com uma enorme poupança de meios.

“Vemos o jovem escritor multiplicar as experiências narrativas, sugeridas por vezes pelas suas leituras, mas já decididamente comprometido com um processo de criação que prenuncia o seu trabalho futuro”, lê-se no comunicado.

Com transcrição, anotação e apresentação do professor Luc Fraisse, da Universidade de Estrasburgo, “O Correspondente Misterioso e Outros Contos Inéditos” (na tradução livre, em português) “não possui o apuro” posterior da obra de Proust, segundo a editora, mas, por isso mesmo, “ajuda a compreender melhor as suas origens”.

O tema dominante destes contos, escreve a casa Fallois, é uma reflexão sobre “o amor tão injustamente condenado”, o “amor físico”, entre pessoas do mesmo sexo, como se estabelecesse um “diário íntimo” de si mesmo.

“A consciência da homossexualidade é vivida como uma maldição, algo exclusivamente trágico”, acrescentam as edições Fallois, sobre a obra do escritor que teve no compositor Reynaldo Hahn a sua grande paixão.

O objeto dos contos terá estado na origem da recusa do escritor em publicá-los, sugerem esta segunda-feira os editores.

“Sem dúvida [Proust] considerou que, pela sua ousadia, os contos poderiam pôr em causa um ambiente dominado pela moralidade tradicional”, acrescentam.

A publicação do livro coincide com a passagem dos cem anos da atribuição do Prémio Goncourt a Proust, pela obra “À Sombra das Raparigas em Flor”, em 1919, recordam as edições Fallois.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)