Rádio Observador

Porto

Câmara Municipal do Porto encerra “mercado ilegal” na Estação de S. Bento

A autarquia do Porto irá fazer um protesto formal junto do Ministro das Infraestruturas "pelo uso ilegal da Estação de S. Bento". O Porto Station Market já foi encerrado pelo Polícia Municipal.

Autor
  • Maria Martinho

A Câmara Municipal do Porto anunciou este sábado que irá apresentar junto do Ministro das Infraestruturas um protesto formal contra o comportamento abusivo da Infraestruturas de Portugal (IP) na cidade, “pela forma como entende o espaço de gere, permitindo e promovendo atividade ilegal, não licenciada e gravemente lesiva do património cultural e da tranquilidade dos portuenses”.

Em causa está a concessão de um espaço que integra a Estação de São Bento, na Rua da Madeira, para ali ser desenvolvida atividade de restauração e bebidas. O Porto Station Market é um mercado gastronómico que reúne seis restaurantes, um bar de cervejas e cocktails, áreas de lazer e música ao vivo, tendo uma duração prevista de três meses. A abertura estava marcada para julho, o que não aconteceu. Com uma área de 1350 metros quadrados, 300 lugares sentados e uma zona de jardim com 200 metros quadrados, o espaço pertence à Infraestruturas de Portugal (IP) e foi subconcessionado por meio ano a Francisco Freixinho, promotor que, segundo o Jornal de Notícias, “assegura ter autorização municipal e pago as devidas taxas”.

A autarquia defende que o projeto não foi licenciado e está a criar “graves danos ambientais, de segurança, proteção civil e uma informalidade inaceitáveis”. O mesmo comunicado diz que a Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) e a Câmara Municipal do Porto “não apenas não foram consultadas como não foram, junto destas entidades, obtidos os licenciamentos e os pareceres legalmente necessários.”

A atividade de restauração e bebidas carece de licenciamento que em nenhum momento foi pedido nem pela IP nem pelo operador privado a quem a IP entregou espaço público do domínio ferroviário, em condições que se desconhecem publicamente”, pode ler-se no comunicado.

Policiamento, segurança, proteção civil, limpeza e impacto de ruído são fatores que, segundo a autarquia, deveriam estar assegurados pelo promotor do Porto Station Market, que esta noite começou a funcionar, o que não ocorreu “apesar de este ter sido devidamente notificado pelo Município.

Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto assegura ter transmitido a sua preocupação ao Secretário de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, “razão pela qual não pode o Governo ignorar a gravidade do que está a suceder”. A Câmara Municipal do Porto fez saber que “já decretou o embargo da instalação dos equipamentos” e, embora o promotor tenha “procurado usar de expedientes para impedir a intervenção municipal”, o Município “não deixará de usar todos os meios necessários e legais ao seu alcance para cessar aquela atividade ilegal de forma imediata”.

Além dos avisos feitos por Moreira junto do Secretário de Estado das Infraestruturas, a presidência e vereação farão agora chegar ao Ministro das infraestruturas, Pedro Nuno Santos, um protesto formal e um pedido de esclarecimentos sobre as circunstâncias e condições em que a IP aceitou concessionar “um espaço que é público e protegido por lei”.

Segundo o Jornal de Notícias, esta não é a primeira vez que há problemas com intervenções na estação de S. Bento. Em outubro de 2016, Rui Moreira afirmou ter sido surpreendido pelo anúncio do projeto de renovação do equipamento e queixou-se da falta de informação por parte da IP. A obra de um hostel chegou mesmo a ser embargada pelo Município.

Espaço já foi encerrado

Segundo o site da autarquia, este sábado ao final da tarde os agentes da polícia municipal forçaram o encerramento do mercado junto à Estação de S. Bento notificando o promotor e evacuando o recinto.

Conforme relataram munícipes nas redes sociais e foi verificado pelos serviços de limpeza urbana, o local e as imediações encontravam-se totalmente sujos com inúmeros detritos na via pública”, pode ler-se.

Na página oficial do Porto Station Market a organização emitiu uma nota de esclarecimento. “A organização do Porto Station Market informa, lamentavelmente, que contra tudo o que foi feito e em desrespeito pela ordem judicial emandada pelo Tribunal Administrativo e Fiscal “do Porto, foi obrigada, pela Polícia Municipal do Porto, a encerrar o Porto Station Market, impedindo a prestação de um serviço rotulado como excelente. Tudo será feito para que a legalidade seja reposta!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

A Saúde e a Constituição

António Alvim

Agora, na altura em que se comemoram os 40 anos do SNS, importa desmitificar outra ideia feita pela esquerda. Que o atual Modelo Público de SNS resulta da Constituição e é imposto por esta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)