Rádio Observador

Porto

Vamos trabalhar numa nau-discoteca? Selina abre o seu primeiro espaço na Europa dedicado ao cowork no Porto

165

A cadeia de alojamento fundada no Panamá chegou ao Porto em 2018 e abre este mês o seu primeiro espaço na Europa dedicado ao cowork, num edifício classificado como monumento de interesse público.

Argentina, Grécia, Brasil, Reino Unido, México ou Nicarágua são alguns dos 13 países onde o Grupo Selina marca presença. A cadeia de alojamento fundada no Panamá em 2014, pelos israelitas Rafael Museri e Daniel Rudasevski, chegou ao continente europeu no ano passado, depois de abrir um hotel na Rua das Oliveiras, no Porto.

Somos uma empresa de experiências, onde o alojamento é um dos serviços. Não é o nosso foco, mas acaba por ser”, explica Manuel Carneiro, diretor do Selina Porto, em entrevista ao Observador.

A primeira morada do grupo na Europa conta com 60 quatros, entre dormitórios e suites com três tipologias diferentes, mas a intenção é aumentar o número de quartos em breve num novo edifício da baixa. As áreas comuns do Selina Porto incluem um bar, uma cafetaria com menus de pequeno-almoço e um jardim a céu aberto, que integra uma food truck. Concertos, mercados, aulas de ioga, workshops ou exposições fazem parte de uma programação cultural própria, aberta tanto a turistas como a locais, baseada naquilo que é a vida e a oferta em cada cidade. “Somos talvez o único espaço no Porto que numa noite tem um concerto de fado e no dia seguinte um show de drag queens”, sublinha o responsável.

Seguiram-se hotéis em Lisboa, Ericeira e Vila Nova de Milfontes, sendo que as próximas paragens serão Peniche, Gerês e Açores. Começar pela Invicta foi uma opção puramente estratégica, empurrada pelo facto de a cidade ter sido considerada nos últimos anos como uns dos melhores destinos europeus, mas a aposta a norte não fica por aqui. Este mês nasce o Selina Navis, o primeiro espaço da marca inteiramente dedicado ao cowork, sendo que o projeto inclui ainda um bar e uma discoteca.

 

“Todos os Selinas citadinos têm zonas para trabalhar, no entanto este será o primeiro edifício inteiramente dedicado ao conceito. Em Lisboa o cowork está mais desenvolvido, mas cá no Porto é algo embrionário que ainda pode ser explorado, até porque há cada vez mais empresas interessadas em trabalhar na cidade”, afirma Manuel Carneiro.

O local escolhido foi o emblemático Depósito de Materiais da Companhia de Cerâmica das Devesas, classificado como monumento de interesse público desde 2014. Situado na Rua José Falcão, o prédio foi projeto em 1899 por José Teixeira Lopes e pensado para albergar o depósito de materiais cerâmicos da fábrica situada em Vila Nova de Gaia. A sua originalidade prende-se com a arquitetura revivalista neoárabe, a fachada revestida de azulejos relevados com padrão ou os detalhes cerâmicos trabalhados nas janelas.

Trabalhar numa nau e lembrar os Descobrimentos

O Selina Navis é inspirado na época dos Descobrimentos portugueses e a decoração, além de manter a traça original do edifício, como os tetos trabalhados ou o chão, é marcada por vários tipos de madeiras, que fazem lembrar as naus de outros tempos, mas também muitas plantas, luz natural e cores vivas, pinceladas tanto nas paredes como nos tecidos de sofás e poltronas. “Quisemos criar um laboratório para empreendedores, startups e novos projetos, relacionando-os com aquilo que foram os Descobrimentos. O objetivo é que todas as pessoas que aqui trabalhem criem sinergias, dinâmicas e parcerias”, sublinha o diretor, Manuel Carneiro, acrescentando que a diversidade, a criação e originalidade serão as principais mais valias do espaço, que está “pronto para receber todo o tipo de empresas”.

Dois meses de obra e 500 mil euros foram o suficiente para dar um “refresh” ao edifício classificado. Nos rés-do-chão, onde antigamente funcionava um restaurante, encontramos um hall imponente onde pode ler-se “Welcome aboard” em letras led vermelhas e um balcão onde se irá servir bebidas, snacks e sanduíches. Ainda no piso térreo está uma sala versátil e polivalente para congressos, workshops e eventos privados. Mesmo em frente, o espaço será reservado a um bar com Dj, tendo abertura prevista para outubro, que servirá vinhos, cocktails e alguns petiscos, como tábuas de queijos ou de enchidos. A partir do final do ano, esta sala irá transformar-se ao fim de semana num night club.

Seja pelas escadas ou pelo elevador, subimos ao primeiro andar e conhecemos um open space,com capacidade para receber 90 pessoas, dividido em duas áreas: as dedicated desks, com secretárias, candeeiros individuais e gavetas para arrumação, e as hot desks, uma zona com sofás e mesas altas, próprios para um aluguer mais pontual e descontraído. Neste piso há uma copa, impressoras e ainda três salas de reuniões, também disponíveis para o público geral. No último andar moram quatro escritórios individuais, batizados com nomes de descobridores portugueses, com capacidade para trabalharem até 28 pessoas.

Os preços podem ir da ocupação diária, 15€, aos contratos anuais, sendo que algumas modalidades têm vantagens para o trabalhador, que pode receber vales de descontos em alojamentos do grupo ou outros serviços. O Selina Navis abre portas na próxima segunda-feira para quatro dias especiais onde o público pode experimentar livremente o espaço ou marcar uma visita guiada e conhecer melhor o novo conceito.

Rua José Falcão, 199, Porto. Segunda a sexta, das 8h às 22h. 22 013 5302

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)