Rádio Observador

Bruno de Carvalho

“Justiça gentil, que te partiste”. Bruno de Carvalho cita Camões para comentar decisão no caso e-Toupeira

2.624

Numa publicação no Instagram, o ex-presidente do Sporting citou um soneto de Camões para comentar a decisão no caso e-Toupeira, no qual a SAD do Benfica não vai ser julgada. Sporting também já reagiu.

O antigo presidente leonino reagiu à decisão do Tribunal da Relação de Lisboa

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Justiça gentil, que te partiste,
Tão cedo desta vida descontente,
Repousa lá no Céu eternamente,
E viva cá na terra sempre triste.

O soneto chama-se “Alma minha gentil, que te partiste” e é da autoria de Luís Vaz de Camões. E foi a este soneto que Bruno de Carvalho, antigo presidente do Sporting, recorreu para comentar a decisão no caso e-Toupeira, na qual o Tribunal da Relação de Lisboa optou por não dar provimento ao recurso do Ministério Público na responsabilização da SAD do Benfica, fazendo com que a sociedade anónima desportiva encarnada não vá a julgamento. Através de uma publicação no Instagram, o ex-dirigente leonino refere que se lembrou de Camões “ao ler as notícias de hoje” e junta então os quatro versos a uma imagem do poeta português.

Entretanto, também o Sporting reagiu à decisão do Tribunal da Relação de Lisboa. Num comunicado divulgado no site oficial do clube, os leões afirmam “comungar da perplexidade geral face ao acórdão”. “Sem prejuízo daquilo que possa sustentar a decisão, em termos de argumentos de carácter formal e técnico, permanece incompreensível a cisão operada e agora mantida entre a referida SAD e o Dr. Paulo Gonçalves, o qual, a ser assim, teria agido de motu proprio, com objetivo e finalidades difíceis de conceber. A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD continuará a bater-se pela verdade desportiva com energia e intransigência, permanecendo atenta e atuante no âmbito dos diversos processos sob investigação e que indiciam práticas de enorme gravidade, com potencial impacto na verdade desportiva e que serão, uma vez provadas, merecedoras de sanção adequada nos planos criminal e desportivo”, acrescenta a nota.

Também Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, comentou a decisão judicial. “Quando alguém corrompe alguém em benefício de ninguém. Em Portugal, pelos vistos, crime é desmascarar criminosos. Em nome da SAD do Benfica, em benefício da SAD do Benfica, com os meios da SAD do Benfica, diz o tribunal. Mas depois iliba a SAD do Benfica. Isto era possível em mais algum país do mundo? Diga um, diga um”, escreveu Francisco J. Marques no Twitter. Entretanto, também a SAD encarnada reagiu à decisão do Tribunal da Relação de Lisboa.

“A decisão judicial de hoje é definitiva. Recorda-se que desde a primeira hora – e em todas as investigações judiciais em que foi envolvida – a Benfica SAD e seus mandatários sempre manifestaram total confiança nas decisões da Justiça e sempre colaboraram com as instituições na descoberta da verdade, respeitando essas instituições e não comentando materialmente as decisões judiciais. A Benfica SAD reafirma, como sempre o fez, a licitude dos seus atos e comportamentos, e reitera perante os seus sócios, adeptos e simpatizantes o compromisso de serenidade, confiança e determinação na defesa do seu bom-nome e na descoberta da verdade”, pode ler-se no comunicado divulgado no site oficial do clube.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)