O FBI concluiu que Samuel Little é mesmo o maior serial killer da história dos Estados Unidos: os investigadores confirmaram 50 das 93 confissões que o homem de 79 anos fez no ano passado. A revelação surgiu esta segunda-feira. Numa nota publicada no seu site oficial, o FBI diz que, além dos casos já confirmados, considera que todas as confissões do ex-pugilista são credíveis e pede ajuda à população para chegar a mais dados sobre os crimes que estão ainda por confirmar.

Samuel Little ultrapassa, assim, o número de homicídios cometidos por figuras como Green River Killer, Ted Bundy e John Wayne Gacy. Little matou e violou mulheres pobres, algumas vezes prostitutas, quase sempre toxicodependentes, em pelo menos 14 estados norte-americanos, entre 1970 e 2005. No ano passado, quando confessou os 93 homicídios, estava já a cumprir três penas de prisão perpétua pelo assassinato de três outras mulheres, em Los Angeles, nos anos 80.

Samuel Little passou a vida a matar e violar mulheres. Terão sido 90, mas ele ri-se de tudo o que fez

Durante muitos anos, Samuel Little achou que não seria apanhado porque ninguém queria saber das suas vítimas. Apesar de já estar preso, o FBI acredita que é importante fazer justiça para cada uma delas e fechar todos os casos possíveis”, diz Christie Palazzolo, analista criminal do Programa de Apreensão de Violência Criminal, na nota do FBI.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apesar de a confissão de Little ter surgido em 2018, há muito que o FBI tentava reconstruir a sua ligação a outros casos suspeitos. Em cinco anos foi possível chegar às cinquenta vítimas agora anunciadas, mas há ainda dezenas de mortes por confirmar. Vários corpos nunca foram encontrados, apesar de o assassino confesso descrever com detalhe cada mulher, a forma como a matou e o lugar onde largou o corpo.

Também por isso, o FBI e os Rangers do estado do Texas divulgaram informação adicional acerca de cinco casos ainda abertos, “na esperança de que alguém se lembre de um pormenor que possa aprofundar a investigação”.

FBI pede ajuda sobre o maior serial killer dos EUA