Inés Arrimadas, deputada do Ciudadanos e cabeça de lista do partido pelo círculo eleitoral de Barcelona, aproveitou a sua presença no debate televisivo regional na TV3 (a televisão pública catalã) para atacar diretamente a estação e o seu diretor, Vicent Sanchis, que estava a moderar o debate.

“Por dignidade, volto a trazer-lhe a carta de demissão”, disse-lhe diretamente Arrimadas, estendedo-lhe uma folha escrita, como já havia feito no debate de abril. “Demita-se, porque de certeza que se sente muito mal pago com esses 110 mil euros”, acrescentou, referindo-se ao salário do diretor da TV3. “E que não espere por sermos nós a governar, porque vamos retirá-lo com o 155 assim que possamos.”

O ataque foi feito logo na primeira intervenção de Arrimadas, segundo revela o El Confidencial, com a deputada do Ciudadanos a acusar a TV3 de ser uma “máquina de propaganda”, que recorre à “manipulação” relativamente à questão do independentismo.

Também a candidata do Partido Popular, Cayetana Álvarez de Toledo, aproveitou para se juntar ao coro de críticas: “Vocês pagaram oito milhões de euros a uma produtora que chama putos perros de mierda [uma expressão semelhante a ‘filhos da mãe’] aos Mossos d’Esquadra”, disse a candidata do PP, referindo-se a um incidente pelo qual a TV3 viria a pedir desculpas. “Só num matrix degradado até ao delírio é que acontecem coisas assim.”

Arrimadas aproveitou ainda o momento para mostrar um pedaço de plástico amarelo, cor associada ao independentismo, e para dizer o seguinte: “Vocês são tão sectários que até no dia em que fazemos o debate, a TV3 está cheia de plásticos amarelos, que acabei de tirar do corrimão da entrada”. Mais tarde, a candidata do Ciudadanos publicou um vídeo no Twitter a subir as escadas, com vários dos plásticos amarelos visíveis no corrimão. “Vocês são incapazes de manter a imparcialidade, até no debate”, disse também Arrimadas.

O diretor da TV3, Vicent Sanchis, reagiu no dia seguinte numa entrevista à rádio pública catalã, a RAC1: “É-me indiferente que esta senhora diga o meu salário. Mas que diga ‘você queixou-se de que ganhava pouco, então vá-se embora’, isso não. O salário é o último motivo que me faz estar na TV3”, afirmou. Questionado sobre se houve algum tipo de gesto conciliador no final do debate, Sanchis disse que não, por não ter havido “tempo”. “Mas se me pergunta se nos cumprimentámos… Sim, uma foi mais cordial do que a outra”, confirmando depois que essa teria sido Arrimadas. “Conhecemo-nos há mais tempo e aguento as suas críticas e os seus excessos”, afirmou.

As críticas à TV3 no que diz respeito ao independentismo não são novas por parte do Ciudadanos, nem são um exclusivo do partido. No mesmo dia em que Arrimadas pediu a demissão do diretor do canal, o presidente do governo em funções, o socialista Pedro Sánchez, propôs no debate nacional que haja alterações à Lei do Audiovisual. O objetivo? Combater o que classificou de “uso sectário feito pelo independentismo catalão da TV3” .