O imigrante turco, Mustafá Kartal, que em abril de 2016 defendeu o seu restaurante “O Palácio do Kebab” em Santos, Lisboa, expulsando à pancada um gangue violento, foi esta terça-feira absolvido. Já Carlos Santos, o jovem que disparou contra Mustafá durante aquele episódio, foi condenado a quatro anos e meio de prisão por tentativa de homicídio, avançou o jornal Público.

O Ministério Público acusou Mustafá do crime de ofensa à integridade física grave, referindo que este “agiu influenciado pela carga emocional”. O acusado arriscava uma pena de prisão de dois a dez anos. No entanto, foi absolvido por ter sido considerado que não havia provas suficientes para o condenar e que as testemunhas foram contraditórias nas declarações que prestaram, escreve o mesmo jornal. As imagens captadas por telemóveis e pelas câmaras de videovigilância foram também usadas como provas.

O caso remonta a 26 de abril de 2016, quando o imigrante que residia sozinho em Lisboa há já três anos, acompanhado pelo seu empregado, foi surpreendido por um grupo de mais de 20 jovens quando estes levantaram a grade que fechava o estabelecimento.

Os desentendimentos que começaram no interior do estabelecimento comercial acabaram no exterior, quando Mustafá saiu do balcão e conseguiu expulsar os jovens para fora do restaurante, tendo voltado ao interior do restaurante para se refugiar. No local, o seu empregado e um dos jovens estavam à luta.

A queixa foi feita por esse jovem, que foi agredido pelo dono do restaurante “O Palácio do Kebab” que tentava proteger o seu empregado. O jovem acabou por ser assistido no Hospital de Almada, tendo Mustafá sido julgado por esta agressão.

Para além das agressões cometidas pelo imigrante turco e das que foram cometidas contra ele, um dos jovens, Carlos Santos, disparou na direção deste “com o propósito de tirar a vida”, segundo o Ministério Público, não o conseguindo atingir. O jovem foi acusado de tentativa de homicídio e terá agora de cumprir quatro anos e meio de prisão.

Mustafá não apresentou queixa contra os jovens, tendo feito apenas participação à PSP.