A 5G Automotive Association, associação global que junta empresas de telecomunicações e fabricantes de automóveis, promoveu em Turim um evento para demonstrar como é que os veículos conectados podem comunicar com a cloud e um com o outro, com ganhos em termos de segurança rodoviária, mas igualmente favoráveis a uma experiência de condução mais “tranquila” e ecológica, pois acredita-se que estas soluções vão diminuir os congestionamentos e, assim, reduzir as emissões de CO2.

A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) marcou presença nesse encontro e mostrou cinco novas soluções em que está a trabalhar, para tirar partido da tecnologia 5G: Alerta de Colisão Frontal, Alerta Georreferenciado Urbano, Aviso de Veículo Imobilizado, Luz de Travagem Electrónica de Emergência e Sistema See Through.

Um Maserati Levante e um Quattroporte foram preparados para comunicar entre si (comunicação de veículo para veículo, C-V2V) e trocaram entre eles informações, como as respectivas posições e direcções, para demonstrar o funcionamento do Alerta de Colisão Frontal. Acredita a FCA que esta funcionalidade virá a reduzir o número de acidentes, sobretudo em cruzamentos, quando os veículos no local estiveram conectados.

Já nas deslocações em cidade, os condutores podem vir a beneficiar de saber antecipadamente o que os espera. O nome pode não ser muito sexy, mas o Alerta Georreferenciado Urbano será decisivo para evitar imprevistos, comunicando situações invulgares como trabalhos na estrada, limites dinâmicos de velocidade ou trânsito congestionado. O sistema obrigará à existência de uma entidade a efectuar, em tempo real, a monitorização da circulação, sendo essa informação enviada para uma cloud e de imediato reportada aos condutores cujos veículos pediram para serem notificados.

Gilberto Ceresa, responsável de Conectividade Global da FCA, disse que o grupo italo-americano prepara mais sistemas baseados no 5G, além dos que foram agora demonstrados

A demonstrar o potencial da comunicação veículo para tudo (C-V2X), ou seja, não só entre automóveis mas também com as infra-estruturas, estiveram dois Jeep Renegade. Tinham por missão, com o suporte da Continental e da Qualcomm, mostrar o que acontece quando uma viatura liga as luzes de perigo. Nesse caso, é accionado o Aviso de Veículo Imobilizado, o que significa que todos os condutores nas imediações, ainda antes de poderem ver as luzes avisadoras de perigo, são alertados para essa ocorrência. O esquema repete-se quando um veículo trava subitamente. Aí, o aviso de Luz de Travagem Electrónica de Emergência informa as viaturas nas proximidades, alertando os condutores para uma potencial situação de perigo.

A FCA contou ainda com a colaboração de uma série de parceiros para materializar a mais complexa das soluções reveladas em Turim, a funcionalidade See Through. Suportado pela comunicação C-V2V, o sistema viabiliza a troca de vídeos entre veículos em tempo real, não com efeitos lúdicos mas sim para evitar acidentes, especialmente em manobras de ultrapassagem. O objectivo é que, em situações de visibilidade limitada, a tecnologia “amplie” o campo de visão do condutor. Contudo, há vários requisitos a cumprir para que tal seja possível. Na demonstração, dois Renegade “ligaram-se” através de um router 5G, estando ambos equipados com câmaras de alta velocidade. Depois, é preciso existir um “sistema de rastreamento em tempo real e um algoritmo de mapeamento de espaço dos veículos”, neste caso desenvolvido pela Vodafone Automotive, que permite à operadora de telecomunicações “gerir e encaminhar o fluxo de vídeos com base nas posições recíprocas”. Como se tudo isto não bastasse, é preciso garantir que, mesmo em condições de saturação de trânsito e de comunicações móveis, o fluxo e a sincronização da troca de vídeos entre veículos, em tempo real, não são comprometidos…