A UEFA vai reunir esta terça-feira com os líderes das 55 federações europeias para, num âmbito global e através de videoconferência, começar a preparar decisões a breve e médio prazo não só em relação ao Campeonato da Europa mas também ao final de todas as provas nacionais, entre Campeonatos e Taças. E se antes o leque de opções na mesa era mais aberto, agora começam a afunilar-se as decisões possíveis, nomeadamente uma veiculada esta manhã pela imprensa espanhola: não havendo hipóteses de acabar as competições locais, o campeão poderá ser o líder da prova antes da sua suspensão. E existe inclusivamente um caso precedente, com 21 anos. No entanto, as informações veiculadas não são as mesmas daquelas que o Observador foi apurando.

O que vai acontecer ao Campeonato da Europa de 2020?

Esta é a primeira grande questão que terá de ser resolvida – se a ideia passar por manter as datas para o Europeu de 2020, o que ainda assim não aparenta ser muito provável, os Campeonatos estarão mesmo terminados; se a opção passar por adiar por seis meses ou um ano o Campeonato da Europa, aí poderá haver ainda alguma margem para que as competições nacionais cheguem ao fim, antes ou depois (em regime de exceção) do limite de 30 de junho. Tudo o que se decidirá na reunião partirá sempre da resposta a esta pergunta, na medida em que, caso o Europeu fosse mesmo em frente, era necessária o habitual período de pelo menos duas semanas de preparação.

Um problema resolvido, dois por solucionar: caso o Europeu seja mesmo adiado, a UEFA terá depois de fazer um novo calendário continental para encaixar a prova em dezembro ou então negociar com a FIFA não só as datas de qualificação para o Mundial de seleções de 2022 mas também para o novo Mundial de Clubes de 2021.

Decisão provável: o Europeu vai ser adiado, ou para dezembro de 2020 ou para o verão de 2021

Como podem ser resolvidos os Campeonatos nacionais na Europa?

Segundo a imprensa espanhola, que foi abrindo várias hipóteses ao longo dos últimos dias, há um novo dado que terá impacto direto em todas as provas europeias (e que mais discussão irá gerar): a possibilidade de ser tomado por campeão o clube que ocupava o primeiro lugar na altura da suspensão das provas. No entanto, existem mais degraus até chegar a essa decisão limite que motivaria muitos protestos por vários clubes de diferentes ligas:

  1. O cenário ideal, que ainda não foi colocado totalmente de parte, que aponta para a realização das últimas jornadas com encontros a meio da semana e ao fim de semana – sempre dependente da própria evolução da pandemia e das indicações da Organização Mundial de Saúde, que têm sido seguidas em pleno;
  2. Quatro hipóteses surgiram como possibilidade para o caso de não haver condições para o final das provas nacionais: a) o líder da competição à data da suspensão ser campeão; b) não haver campeão mas respeitar a classificação até à suspensão no âmbito das provas europeias para a época seguinte; c) haver um playoff com eliminatórias a um jogo apenas entre os oito primeiros classificados; d) ficar com a classificação existente no final da primeira volta, altura em que todas as equipas tinham jogado uma vez entre si. Agora, de acordo com o As, se não existir mesmo hipótese de acabar as provas, deverá ser decretado campeão o atual líder.

Apesar das informações veiculadas, uma fonte conhecedora do processo recusou a possibilidade de haver uma sobreposição da UEFA ao poder das federações locais. Ou seja, em relação ao Europeu, à Liga dos Campeões e da Liga Europa, decide a UEFA; em relação às provas nacionais, pode haver recomendações mas nunca decisões.

Decisão provável: tentar ao máximo encaixar as datas para que todas as provas possam terminar

Existe algum tipo de precedente que possa vigorar?

Existe um caso que serve como precedente para eventuais decisões mas que nem por isso “obriga” a que se adote a mesma medida: em 1999, o Campeonato foi interrompido a dez jornadas do final por causa da Guerra dos Balcãs e a UEFA acabou por decidir-se pela atribuição do título ao Partizan de Belgrado, que na altura estava no primeiro lugar da prova, como recorda o As. No entanto, há um outro ponto mais importante para a UEFA: criar as soluções mais justas possíveis e que sejam aplicadas a todas as 55 federações (ou às federações que não consigam concluir as suas competições nacionais), unificando os critérios aplicados nesse ponto. E essas soluções terão de ser encontradas junto das federações locais, até porque no caso do Partizan não havia então uma autoridade nacional.

Decisão provável: no limite, se não houver outra possibilidade dentro de campo, o Partizan pode servir de exemplo

O que está a ser feito em Portugal?

Depois do hiato de alguns dias sem conversas ou encontros, a Comissão Permanente de Calendários da Liga Portugal vai reunir esta segunda-feira com os seis membros da direção por videoconferência (Benfica, FC Porto, Sporting, Gil Vicente, Mafra e Leixões) com todos os cenários em aberto, um pouco à semelhança do que existe em Espanha: acabar o Campeonato, não haver campeão, ser campeão quem estava à frente ou adotar um modelo de playoff que permitisse acelerar as decisões. A ideia passa por definir uma ideia, encontrar uma opção secundária e tentar defender isso mesmo olhando também para o que se passará nas outras principais ligas europeias. Os clubes estão também a estudar por si alguns pareceres jurídicos para defenderem as respetivas posições.

Decisão provável: tentar ao máximo acabar o Campeonato, tendo em conta que faltam dez jornadas

As competições europeias vão chegar ao fim?

No atual cenário, e com a prioridade a entroncar na definição do Europeu de 2020 e no final dos campeonatos nacionais, está ainda em aberto o que fazer com a Liga dos Campeões e com a Liga Europa, provas que foram suspensas nos oitavos de final (com quatro apurados na Champions para os quartos). Neste ponto, ganha outra força a possibilidade de ser montado um cenário de Final Eight numa semana, com quartos, meias e final a serem jogados num modelo semelhante ao que foi criado na Liga das Nações em seleções, que Portugal ganhou (mas com mais uma ronda, neste caso os quartos, sendo que antes teriam de ser jogados os jogos dos oitavos em falta).

Decisão provável: criar um modelo para apurar vencedores no mínimo tempo possível de competição