Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O PS recolhe, neste momento, 41,7% das intenções de voto em Portugal, de acordo com uma sondagem da Pitagórica para o Jornal de Notícias e TSF que foi feita até aos primeiros dias do Estado de Emergência. Trata-se da sondagem mais favorável obtida pelo PS e pelo primeiro-ministro António Costa desde abril de 2019, que aumenta a distância para o PSD de Rui Rio para 16,5 pontos percentuais – caindo para 25,2% (face aos 27,6% que obteve nas urnas). A maior subida, porém, é do partido Chega, que poderia obter uma votação de 8,1% se as legislativas fossem hoje. O partido de André Ventura surge como quarta força política no Parlamento, podendo mesmo disputar o terceiro lugar.

Os 8,1% registados pelo Chega nesta sondagem ficam a poucas décimas do Bloco de Esquerda, com 8,6%, o que indica que André Ventura poderia bater-se com Catarina Martins pelo estatuto de terceiro maior partido na Assembleia da República. A sondagem da Pitagórica olha para valores percentuais, pelo que não se pode simular diretamente quantos assentos parlamentares poderia ter, mas cruzando a implantação do partido, em termos regionais, com a dimensão dos círculos eleitorais, pode-se presumir que o Chega poderia obter cerca de 10 deputados em eleições legislativas.

André Ventura teria, provavelmente, os melhores resultados no Sul do país (10,4%) mas poderia obter até 7% na região Norte, talvez elegendo um deputado por Braga, e 7,1% em Aveiro, onde poderia também eleger um representante. No Grande Porto poderia chegar aos 4,1% e eleger dois deputados e, em Lisboa, os 4,8% que lhe deram esta sondagem poderiam ser suficientes para eleger três ou quatro deputados pelos círculos de Lisboa e Setúbal.

A sondagem revela que seriam sobretudo homens da faixa etária entre os 35 e os 44 anos (bem como entre 45 e 54 anos), bem distribuídos pelos vários escalões de rendimento, a votar no Chega. André Ventura está a conseguir os votos de eleitores que até aqui votavam noutros pequenos partidos, como o PCP, ou que optavam pelo voto em branco ou nulo. Mas há também muitos votos que antes iam para o PSD – segundo a sondagem, são quase um terço dos que agora dizem que votariam no Chega.

Já no topo, o PS parece estar a beneficiar da gestão que tem sido feita da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, com a sondagem da Pitagórica a dar a António Costa mais cinco pontos percentuais nas intenções de voto do que a votação que teve, efetivamente, em termos percentuais, nas últimas eleições, em outubro. Também em destaque nos resultados da sondagem, o PCP cairia para 5,3%, o PAN manter-se-ia praticamente estável com 3,1% e o CDS baixaria para 2,9%. Já o partido Livre desapareceria, segundo este estudo de opinião.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR