Em dias de confinamento, as compras online são um dos poucos elos à normalidade de outros tempos. E para que a presente adversidade não dissuada ninguém de continuar a apoiar pequenas marcas portuguesas, há quem tenha reunido uma mão cheia delas num formato alternativo às tradicionais bancas e expositores.

Por esta altura, os mercados de primavera costumavam estar recheados das últimas novidades para a estação quente, na maioria vestuário, acessórios e artigos de decoração de produção nacional. Agora, alguns deles optam por edições virtuais. Pretexto para reunir dezenas de marcas online, fazer descontos, oferecer portes de envio e, claro, promover as ideias e os produtos portugueses. Tome nota, porque já há três eventos com data marcada.

Hype Virtual Market

Antes de a pandemia fechar quase toda a gente em casa, era simplesmente Hype Market. Agora, a organização prepara a primeira edição à distância, marcada para os dias 25 e 26 de abril. A plataforma já está online, dividida em secções — Mulher, Homem, Crianças, Casa, Comida e Presentes — e reúne dezenas de marcas portuguesas. Comum a todas elas é um desconto mínimo de 10%, que poderá chegar aos 30% em alguns casos.

Aqui há peça, marca de artigos de mesa e cozinha que fará parte do Hype Virtual Market © Divulgação

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Fábrica Portuguesa

Mais do que um mercado virtual, esta é a nova plataforma criada para aplicar uma velha máxima (a união faz a força) ao universo de pequenas marcas portuguesas. Chama-se A Fábrica Portuguesa, nome que dissipa quaisquer dúvidas — o projeto nasceu para promover o que “de melhor se faz no nosso país”. A produção nacional é ponto assente e são neste momento já 25 as marcas que fazem parte desta grande montra portuguesa.

A ideia partiu de duas empreendedoras, também elas confrontadas com o grande desafio de manter as suas pequenas marcas à tona. Falamos de Rita de la Blétière e de Inês Gil Fonte, responsável pela Le Petit Chiffon e pela Mada in Lisbon, respetivamente, ambas marcas de roupa e acessórios para crianças.

A Fábrica Portuguesa arranca oficialmente no dia 1 de maio e para assinalar a ocasião, as duas mentoras vão organizar um mercado online, entre as 10h e as 19h. Entre acessórios, ilustração, joalharia, moda infantil e calçado, a iniciativa vai contar com a participação de 30 marcas. Todas elas vão vender através dos respetivos sites ou perfis de Instagram e reforçar o atendimento personalizado, mesmo à distância. Nomes bem conhecidos como Violeta Cor de Rosa, Moleke, Pecegueiro & Filhos e Joana Mota Capitão vão marcar presença. Nesse dias, todos os portes serão gratuitos.

A designer de joias Joana Mota Capitão vai participar no evento de lançamento d’A Fábrica Portuguesa ©Facebook.com/joanamotacapitao

Mercadito Summer Preview 2020

Este mercado dispensa apresentações, se bem que a próxima edição vai decorrer em moldes bastante diferentes da habitual enchente, seja no Centro Cultural de Belém ou na Cordoaria Nacional. De olhos postos no verão, o evento de Fernanda Velez, autora do Blog da Carlota, decorre exclusivamente online, entre os dias 1 e 3 de maio. Garantida está já a participação de mais de 60 marcas, todas elas portuguesas, em áreas como a moda feminina e a infantil, a decoração e a joalharia.

Durante o fim de semana, que coincide com o Dia da Mãe, os portes serão gratuitos no envio para todo o país e os descontos vão chegar aos 30%. Às marcas que habitualmente marcam presença no Mercadito, como a Buzina, a Cluoh e as joias de Carolina Curado, juntam-se novas aquisições como é o caso do vestuário de desporto da Spry, dos loafers da Lachoix (na imagem de abertura), e da Hey Soleil, marca de moda para crianças. Vai tudo acontecer num novo site, que está a ser preparado para a ocasião.

Hey Soleil, uma das novidades da primeira edição online do Mercadito © Facebook.com/heysoleilkids