O número de inscritos nos serviços de Segurança Social em Espanha baixou em 947.896 pessoas entre 12 de março e finais de abril, devido à pandemia da covid-19, de acordo com dados divulgados hoje pelo governo espanhol.

Em média houve menos 548.093 filiados em abril, o que significa a maior destruição de emprego no quarto mês do ano desde 2009, sendo o número total de pessoas empregadas agora de 18.458.667.

Por outro lado, número de desempregados inscritos nos centros de emprego espanhóis aumentou em 282.891 pessoas em abril, um aumento acentuado que não se verificava desde maio de 2016, alcançando um total de 3,83 milhões de pessoas.

A Espanha, que é um dos países mais afetados pela pandemia, registou na segunda-feira 164 mortes, o mesmo número do que no dia anterior, que é o mais baixo das últimas seis semanas.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 250 mil mortos e infetou mais de 3,5 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos a aliviar diversas medidas.