O ex-ministro da Saúde da Bolívia, detido na semana passada por suspeita de corrupção na compra a Espanha de ventiladores para doentes de Covid-19, ficará em prisão preventiva, foi esta segunda-feira decretado.

De acordo com a agência France Press, a decisão de prisão preventiva para Marcelo Navajas foi decidida esta segunda-feira em tribunal, em La Paz, depois de uma audiência de mais de doze horas.

Marcelo Navajas foi detido no dia passado dia 20, e demitido no mesmo dia, suspeito de corrupção num negócio da compra a Espanha de 179 ventiladores para doentes de Covid-19.

No âmbito da investigação, foi decidida prisão preventiva para outros três suspeitos e prisão domiciliária para outras duas pessoas.

A compra dos 179 ventiladores por cerca de cinco milhões de dólares (4,5 milhões de euros) foi financiada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

A Bolívia comprou os equipamentos médicos a uma empresa espanhola por um preço unitário de 27.683 dólares (cerca de 25.323 euros). Mas a sociedade propunha um preço que variava entre 9.500 e os 11.000 euros (entre 10.312 e 11. 941 dólares). Uma outra empresa espanhola terá servido de intermediária no negócio.

O escândalo foi conhecido dias antes, quando os médicos informaram que os aparelhos não se adaptam aos serviços de reanimação dos hospitais bolivianos. Informações sobre as suspeitas de sobrefaturação começaram de imediato a ser divulgados.

Segundo a AFP, na Bolívia o novo coronavírus causou 240 mortos, de um total de 5.915 infetados.